O Núcleo de Gestão Integrada do ICMBio (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade) de Palmas registrou a localização de um lobo-guará morto às margens da PRC-280, na região do Horizonte. A suspeita é que o animal tenha sido envenenado.

Há cerca de dois meses, um exemplar da espécie foi avistado na mesma localidade. Técnicos do ICMBio apontam que pode ser o mesmo animal encontrado morto na última semana.

Na Lista Vermelha da União Internacional para a Conservação da Natureza e dos Recursos Naturais, o lobo-guará (Chrysocyon brachyurus), é considerado uma espécie quase ameaçada de extinção.

Segundo o ICMBio, existem registro do lobo-guará no Refúgio de Vida Silvestre dos Campos de Palmas e na região do Horizonte, porém não há informações detalhadas sobre o número de exemplares.

Lembra o órgão, que o Decreto nº 6.514 de 22 de julho de 2018, em seu artigo 24, considera infração contra a fauna perseguir, caçar ou matar animais nativos, com previsão de multa que pode ser aumentada no caso de animais ameaçados de extinção.

O lobo-guará Chrysocyon brachyurus é um canídeo da América do Sul. Na Lista Vermelha da União Internacional para a Conservação da Natureza e dos Recursos Naturais é considerado uma espécie quase ameaçada. O Refúgio de Vida Silvestre dos Campos de Palmas e região do entorno são áreas de seu território, ou seja, sua casa. O lobo-guará prefere habitats de campos e com vegetação arbustiva, por isso ele é mais encontrado em áreas do Cerrado, Pampa e Campos de Altitude. Temos registro do lobo-guará no Refúgio de Vida Silvestre dos Campos de Palmas e na região de entorno chamada Horizonte, porém não sabemos quantos indivíduos existem. Provavelmente a população é pequena, pois é rara sua visualização. Por tratar-se de uma espécie que chamamos de “topo de cadeia alimentar” e pelas características de sua reprodução – a gestação dura cerca de dois meses e nascem apenas dois filhotes – é um animal raro. Dessa forma, causou-nos grande preocupação o encontro de mais um lobo-guará morto nesta semana, nas proximidades do Morro do Vigia, na beira da PRC-280. Provavelmente trata-se do mesmo indivíduo fotografado e filmado recentemente, noticiado em nosso perfil. Há suspeitas de que o animal tenha sido envenenado. O Decreto nº 6.514 de 22 de julho de 2018, em seu artigo 24, considera infração contra a fauna perseguir, caçar ou matar animais nativos, com previsão de multa que pode ser aumentada no caso de animais ameaçados de extinção. O ICMBio atende denúncias e mantém o sigilo sobre a informação.

Posted by NGI ICMBio Palmas on Monday, March 16, 2020