A baixa vazão no Rio Caldeiras pode afetar abastecimento à população, caso não chova em breve para restabelecer o volume no sistema de captação da Sanepar. O assunto foi abordado na manhã desta sexta-feira|(30) no programa Pauta Dinâmica da Rádio Club FM, a partir uma reportagem que será publicada no jornal A Folha do Sudoeste pelo jornalista, Luiz Marcondes. Os técnicos da Companhia indicam situação de alerta. A lâmina de água sobre a barragem, que em condições normais, é de 20 a 30 centímetros, atualmente,  não passa de três centímetros.

De junho até este dia 30 de agosto o volume de chuva sobre a região do sistema de captação é de 90.4 milímetros. Conforme o Simepar,  há déficit mensal superior a 100 milímetros.

  • Compartilhe no Facebook

Conforme a Estação, o consumo diário de água é de 6,3 milhões de litros de litros, cerca de 300m³ por hora. A produção poderia ser ampliada em 45%, conforme autorização pelo Instituto das Águas, o que neste momento, comprometeria a vazão a jusante. O estoque diário é de 2 milhões de litros nos reservatórios da estação (02) e nos bairros Lagoão e Alto da Glória.

Embora o fornecimento de água em Palmas ainda não esteja comprometido, os técnicos recomendam medidas como evitar limpeza das calçadas e áreas comuns com água potável;  reaproveitar a água do tanque ou da máquina de lavar roupas; reduzir o tempo no banho e fechar a torneira enquanto escova os dentes, faz a barba ou ensaboa a louça; evitar lavar o carro com mangueira, utilizando a água em um balde; não regar em excesso jardins e hortas. Além disso, é prudente verificar se não há vazamentos em torneiras, vasos sanitários e tubulações.

O monitoramento climático não indica solução para o problema em curto tempo. Para o final de semana estão previstos apenas 16 milímetros.