Menu
Grupo RBJ de Comunicação
Grupo RBJ de Comunicação,
16 de janeiro de 2021
Rádios

IAT orienta fazendeiros para preservação de harpia rara vista na região

Meio Ambiente

por Guilherme Zimermann

gaviao-real
Harpia fotografada em Coronel Domingos Soares (Foto: Francisco Hamada)
Publicidade

A direção do Instituto Água e Terra (IAT) emitiu um comunicado aos proprietários rurais da região de Palmas, orientando sobre a necessidade da preservação e a importância do apoio nas buscas de uma harpia avistada no município de Coronel Domingos Soares, no início de abril.

Além de representar um importante achado científico, a presença da harpia na região pode abrir espaço para a atividade de turismo ecológico, a partir de uma parceria entre entidades institucionais e a comunidade rural.

De acordo com o IAT, as imagens feitas por um observador de aves surpreenderam técnicos e ambientalistas, mas também geraram insegurança nos fazendeiros. Devido à presença de uma espécie em estado crítico de extinção, eles temem que áreas possam ser desapropriadas para se transformarem em unidades de conservação.

Para sanar as dúvidas e garantir a preservação da ave, o presidente do IAT, Everton Luiz da Costa Souza, elaborou uma carta que está sendo distribuída em toda a extensão do território de pesquisa. No documento, convida os proprietários da região para serem parceiros na conservação da harpia e salienta que, nesse caso, não há interesse do Estado de criar de Unidades de Conservação.

Publicidade
Publicidade

Esclarece que pelo porte da ave – com até 12 quilos e 2,5 metros de envergadura de uma ponta à outra da asa – ela precisa de um ambiente relativamente bem conservado, com extensas áreas de floresta e espécies da fauna nativa das quais se alimenta, como tatus, cotias e macacos, entre outros.

A comunidade científica afirma que esse registro demonstra que a região Sudoeste do Estado ainda apresenta locais com as características para o habitat da harpia, uma constatação importante não apenas para a conservação dessa espécie ameaçada de extinção, mas, também, para a existência dos serviços ambientais promovidos pelas florestas como a água e a regulação climática.

A orientação é que quem avistar a harpia deve entrar em contato com o Projeto Detetives da Natureza, se possível, com registro de imagens. No caso de dificuldade de acesso também pode ser enviado para e-mail iapfauna@iat.pr.gov.br.

+ Palmense faz registro único de harpia na natureza

+ Pesquisadores realizam expedição para localizar ave rara na região

Fonte: AEN/PR | Foto de Capa: Francisco Hamada

Publicidade