Menu Últimas Notícias
Grupo RBJ de Comunicação
Envie sua pauta
Grupo RBJ de Comunicação,
02 de julho de 2022
RÁDIOS

Hospital e prefeitura de Palmas discutem assinatura de novo contrato

No entanto, segundo direção do hospital, negociações não têm avançado.

Saúde

por Guilherme Zimermann

IMG_20220615_143727807
Publicidade

Próximo de chegar ao fim de seu período de vigência, o contrato entre a prefeitura de Palmas e o Hospital Santa Pelizzari está em negociação, porém, sem avanços significativos.

A informação foi divulgada pela assessoria jurídica da instituição hospitalar em reunião do Conselho Municipal de Saúde na quarta-feira (15). O advogado Carlos Lorga expôs números relativos aos atendimentos realizados pelo hospital e os valores que são recebidos.

Conforme ele, o hospital realiza mensalmente mais procedimentos do que tem recebido, algo que está se tornando “uma bola de neve”, que ultrapassa R$ 1 milhão em procedimentos realizados, mas não pagos.

Ressaltou o advogado que a Lei proíbe que a administração pública obtenha vantagens sobre fornecedores particulares que, por meio de um contrato administrativo, prestam serviços, mas depois não são remunerados. Isso se equipara a um locupletamento indevido, ou seja, um enriquecimento sem causa, o que no caso da gestão pública, pode ser equiparado a ato de improbidade administrativa.

Publicidade
Publicidade

Lorga alertou que se a situação atual se mantiver em um novo contrato, ela seguirá gerando um represamento de procedimentos realizados sem pagamento, levando o hospital a financiar o sistema público de saúde, pontuando que a instituição não possui saúde financeira para isso.

Ele lembrou que até 2019, o teto financeiro que o município repassava ao hospital era de R$ 262 mil mensais. Em 2020, foi assinado um novo contrato no valor de R$ 292 mil, o que já era insuficiente e foi repetido no contrato assinado em julho de 2021 e que chega ao fim no dia 03 de julho.

Ressaltou o advogado que o hospital não está pedindo um aumento financeiro do contrato, mas sim, um aumento quantitativo de atendimentos, o que se reflete financeiramente. Pontua que o hospital busca apenas receber pelos serviços que presta, citando, por exemplo, que se o hospital realiza 300 internamentos, ele quer receber pelos 300 internamentos.

Citando o exemplo de outros municípios, Lorga explicou que existe a possibilidade da inclusão de uma cláusula de teto livre dentro de um novo contrato. Essa cláusula prevê que quando se atinge o teto financeiro pago mensalmente, o município paga os valores excedentes. Posteriormente, o município, com essas informações sobre pagamentos excedentes, vai ao Ministério da Saúde, solicitar o aumento de repasses.

Publicidade
Publicidade

O advogado revelou que em 2019, houve uma sensibilidade da gestão municipal, para o encaminhamento da demanda para o aumento no teto de Média e Alta Complexidade, o que obteve autorização de órgãos de saúde em nível regional, mas o assunto não avançou, não sabendo informar o que ocorreu para a não concretização do pagamento desses valores.

Diante de todas as informações expostas e caso as atuais condições do contrato com a prefeitura se mantenham, o advogado alertou que o Hospital Santa Pelizzari não possui saúde financeira para manter a integralidade de suas atividades a partir de agosto.

Com base em simulações dos fluxos de pagamentos, ele afirmou que entre agosto e setembro, o hospital não terá condições de manter pagamentos de funcionários e fornecedores.

Explicou ainda que o Instituto Santa Pelizzari não tem como buscar financiamentos bancários, por se tratar de uma instituição sem fins lucrativos que não possui bens, por isso não consegue obter financiamentos.

Publicidade
Publicidade

Segundo o assessor, já estão ocorrendo discussões junto à prefeitura e Secretaria de Saúde para a formalização de um novo contrato, mas, até o momento, as propostas debatidas não atendem às necessidades do hospital. Informou que até o momento, não houve sinalizações pelo poder público, para a instituição de uma cláusula de teto livre ou outra garantia do pagamento por procedimentos além do que é pago mensalmente.

Diante disso, houve, inclusive, segundo o assessor jurídico do Instituto Santa Pelizzari, uma situação incômoda entre a direção do hospital e o secretário municipal de saúde, Rafael Barboza, visto que o secretário buscou junto ao hospital uma declaração de que a instituição era a retaguarda hospitalar da Unidade de Pronto Atendimento. Essa declaração integraria o processo de habilitação da UPA junto ao Ministério da Saúde.

Segundo Lorga, a direção do hospital ficou com medo de assinar essa declaração, pois não sabe como será o futuro, sem a readequação do contrato entre hospital e prefeitura. A declaração não foi assinada e o secretário de saúde buscou outros meios para prosseguir com a tentativa de habilitar a Unidade de Pronto Atendimento.

Reforçou que são dois os pontos que estão na mesa de negociações com a prefeitura. O primeiro, é o pagamento pelos procedimentos realizados ao longo da vigência do atual contrato, o que equivale a mais de R$ 1 milhão. Ele entende que há possibilidade jurídica do município realizar esse pagamento com recursos próprios ou remanejamentos orçamentários.

Publicidade
Publicidade

O segundo ponto é uma segurança jurídica ao hospital de que, se o valor repassado mensalmente não for suficiente para pagar a quantidade de internamentos realizados, que o município arque com a diferença.

Todas as informações expostas na reunião do Conselho Municipal de Saúde foram também apresentadas ao Ministério Público, que instaurou inquérito para acompanhar também a negociação.

A proposta apresentada pelo hospital é de que os atuais R$ 292 mil pagos tenham um incremento de R$ 166 mil, se aproximando de R$ 460 mil mensais, o que seria, segundo o assessor jurídico, um ponto de equilíbrio financeiro para o contrato. No entanto, a proposta do município foi de um incremento de R$ 7 mil, aproximadamente, saindo de R$ 292 mil para R$ 299 mil.

Pelo fato de o secretário municipal de saúde, por motivo de ordem familiar, não poder estar presente na reunião de quarta-feira, foi convocada pelo Conselho de Saúde uma reunião extraordinária para a próxima quinta-feira (23), quando deverão estar presentes também representantes da prefeitura e Ministério Público para seguir a discussão em torno do novo contrato.

Publicidade