Por Larissa Mazaloti

 

O vereador Celso Antunes (PSDB) quer que o prefeito possa nomear parentes para cargos nas secretarias municipais. Ele apresentou na Câmara de Francisco Beltrão a emenda ao projeto 3434/2007 do ex-prefeito Vilmar Cordasso, que proíbe o nepotismo na administração pública municipal. A principal motivação do vereador, segundo disse em entrevista ao jornbalista Luiz Carlos Bággio é que segundo ele existem casos de contratação de parentes no governo Federal e no governo Estadual. “O cargo de secretário é cargo político, se acontece lá (esferas federal e estadual), por que não dar esta abertura aos prefeitos?”, questiona.

 

Ele argumenta que na época em que era governador, Roberto Requião (PMDB) tinha parentes no primeiro escalão e que mesmo assim sempre teve boa votação em Francisco Beltrão. Desta forma o vereador diz entender que não é “tão ruim assim” e que o atual chefe do Executivo do Paraná Beto Richa (PSDB) faz uso desta prática. Antunes cita ainda o caso dos ministros Paulo Bernardo e Gleisi Hoffmann, que são casados e ocupam as funções um no ministério das Comunicações e outra na Casa Civil.

 

O assunto gerou comentários nas redes sociais, meio de comunicação que o vereador classifica como importante, porém perigoso. “Muitas vezes as redes são usada spara denegrir a imagem de alguém, falar por trás. Quem faz isso é porque não tem capacidade. Tem que falar pessoalmente quando fala de uma pessoa”, provoca.
Ele diz que considera a proposta dele boa e que nenhum projeto é “blindado”, que todo projeto pode sofrer modificações. Ele não tem conhecimento de quando deve entrar na pauta de votação e que agora depende da consciência dos demais vereadores. “Fiz, está feito e pronto”, pontua.

 

O vereador nega qualquer interesse próprio em algum cargo ou que o prefeito eleito Antônio Cantelmo Neto (PMDB) tenha feito algum pedido. “Ele é meu adversário político, que interesse eu teria? Sou concursado e independente de prefeito continuo trabalhando”, afirma.

 

Leia sobre a Súmula 13 do Supremo Tribunal Federal