A usina hidrelétrica Governador Bento Munhoz da Rocha Neto, conhecida como Foz do Areia, poderá ser privatizada. Um pedido foi formalizado pela Companhia Paranaense de Energia (Copel) ao Ministério de Minas e Energia, o que pode garantir à empresa a renovação de concessão de sua principal usina hidrelétrica, a medida foi anunciada no dia (5) deste mês. A usina fica entre os municípios de Pinhão e Bituruna, região Centro-Sul do estado.

Foi solicitado pela COPEL, que a Foz do Areia se enquadre nas regras estipuladas pelo decreto federal de 2018, reeditado em 2019, onde o texto garante que concessionarias poderão ter suas outorgas renovadas por mais 30 anos, desde que privatizem maior parte das operações 18 meses antes do término do contrato. A  estatal e União tem término de contrato em 2023.

A Copel deverá privatizar ao menos 51% da operação de Foz do Areia até março de 2022, ficando com 49% da usina. Caso não faça o repasse para iniciativa privada, a Companhia Paranaense poderá perder o controle de Foz do Areia, um ativo capaz de gerar 1,67 gigawatts de energia, mais de um terço da capacidade de geração de todas as 29 usinas da estatal. Os valores de repasse ao governo federal em caso de renovação de outorga ainda não são de conhecimento público.

Fonte: Gazeta do Povo