Por Evandro Artuzi

Os trabalhos do Instituto Médico legal (IML), de Francisco Beltrão, responsável pelo atendimento de 27 municípios da microrregião, seguem normalmente nesses primeiros dias de novembro. De acordo com Itagibe Fonseca Filho, apenas corpos de vítimas de acidentes de trânsito foram necropsiados neste mês. O que tem preocupado um pouco mais é a situação de três corpos que permanecem depositados na geladeira do IML devido à falta de documentos para a liberação.
Quanto ao transporte de cadáveres, pelo menos até o final do ano, continuará suspenso. A decisão foi tomada durante reunião entre funcionários e a direção da unidade.
O IML de Francisco Beltrão conta desde o início deste mês com dois agentes de necropsia, um vindo de Curitiba, o agente Britto. De acordo com Itagibe, o novo funcionário tem um amplo conhecimento por ter atuado na capital.
A única situação desconfortável neste final de ano na unidade é a falta de recursos para viagens até a capital, par aonde são levados materiais para exames solicitados por órgãos policiais junto ao IML. Itagibe comenta que isso normalmente ocorre nesta época quando o governo adota a contenção de gastos.

OUÇA