19141645_10203314091529957_1577476324_n
  • Compartilhe no Facebook

Imagem de 1959 na Fortaleza

Proprietários da Fazenda Fortaleza, hoje no território do município de Coronel Domingos Soares, voltaram a enfrentar a fúria do vento na última semana. Há 58 anos a localidade foi atingida  por um tornado que provocou a 35 mortes, muitas da mesma família, e muita destruição de casas, galpões e barracões.

No último dia 08 de Junho as lembranças da tragédia vieram à tona, quando mais uma vez os fortíssimos ventos derrubaram aproximadamente meio alqueire de floresta nativa, distante um quilômetro do local onde em 1959 ocorreu  a tragédia, que entrou para a história de Palmas. O RBJ compartilha a reportagem de Luiz Marcondes para o jornal A Folha do Sudoeste, em circulação nesta quinta-feira(13).

Conforme relatos à reportagem novamente pinheiros centenários foram retorcido, árvores de guamirim – uma das mais resistentes madeiras da região ficaram despedaçadas; galhos de pinheiro foram arremessados a distância do tronco. Canelas de um metro de espessura foram arrancadas da terra como se nem tivesse uma enorme gama de raízes ao chão. Aproximadamente 100 arvores foram arrancadas ou retorcidas pelo vento.

A fazenda pertence atualmente ao município de Cel. Domingos Soares, de acordo com Honório Simião Carneiro, filho de Waldomiro, nunca tinha presenciado fatos desta natureza desde que administra a fazenda, “é um fato assustador, mesmo por que a Fazenda Fortaleza tem história pelo fato de vento forte”, recordou Carneiro. Os ventos que mais uma vez assustou os moradores arrancaram algumas telhas de uma das casas de um colaborador da fazenda.

A história se repetiu depois de 58 anos, para a felicidade de todos desta vez não houve nenhuma vítima, “para que diz que um raio não cai duas vezes no mesmo lugar, está aí provado que o tornado pode passar sim no mesmo lugar”, afirmou Honório. (Reportagem completa em A Folha do Sudoeste).