A Terra Indígena de Mangueirinha, sudoeste do Paraná, será contemplada com um levantamento ambiental em toda a extensão que abrange também os municípios de Coronel Vivida e Chopinzinho. A iniciativa pioneira disponibilizará informações para o Inventário Florestal Nacional(IFN).

12798903_1034309209963190_1753883960609670267_n
  • Compartilhe no Facebook

Reunião que discutiu início dos trabalhos de coleta dos dados

Conforme, Marcio Andre Kokoj dos Santos – presidente da Associação Socio Ambiental Indígena Kaingang/Guarani(ASAIKG) – o inventário foi um pleito apresentado no ano passado pela liderança, através do cacique, Milton Alves, durante reunião em Brasília, com representantes de entidades parceiras do projeto.

Informou que no final de fevereiro ocorreu uma reunião na Escola da Terra Indígena de Mangueirinha, quando ocorreu o encaminhamento para o início dos trabalhos do inventário no próximo dia 14 de março. A coleta das informações ocorrerá pela empresa Saltus Consultoria Ambiental e Florestal, contratada pelo Serviço Florestal Brasileiro(SBF).

Explicou Kokoj que num prazo de seis meses deverão ser realizadas aproximadamente 80 entrevistas com Kaigangs e Guaranis e coletadas todas as informações dos recursos naturais presentes nos aproximadamente 30 núcleos definidos pela  metodologia de pesquisa.

Para o presidente da ASAIKG – entidade que completa um ano em maio – com o levantamento será possível desenvolver de forma ordenada e precisa uma série de projetos que garantam a preservação ambiental e recomposição de áreas degradadas. “Precisamos desse inventário para ações de preservação através de nossa Guarda Florestal e o desenvolvimento atividades econômicas sustentáveis em nossa terra, como a produção de mel; extração de erva-mate, pinhão, plantas medicinais e tantos outros produtos vinculados cultura indígena” disse ele. Relatou que um viveiro para a produção de mudas nativas já está sendo desenvolvido no local.

Além da Associação Kaigang/Guarani, o trabalho envolve uma série de entidades vinculadas, tais como, a liderança indígena, FUNAI, Serviço Florestal Brasileiro, IFPR, Secretarias de Agricultura de Coronel Vivida; Instituto Sociedade, População e Natureza e o Projeto Gestão Ambiental e Territorial Indígena (ISPN-GATI); Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO); Saltus Consultoria Ambiental e Florestal e IBAMA.