por Ivan Cezar Fochzato

 

 

O sudoeste do Paraná não possui  empregador na lista de envolvidos na prática de trabalho escravo. No dia 07, o Ministério Publico do Trabalho e Emprego divulgou a lista atualizada com empresas que foram  notificadas pela prática. Na lista aparecem duas empresas de municípios que fazem divisa com Palmas: uma em General Carneiro, sul do Paraná e Passos Maia, no oeste de SC.

 

O Cadastro de Empregadores flagrados explorando mão-de-obra escrava no país  integram a chamada ” Lista Suja”.O documento do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) conta agora com 164 empregadores infratores, entre pessoas físicas e jurídicas. Foram incluídos 12 novos empregadores e excluídos 10 nomes.

 

Os infratores são em sua quase totalidade ligados às atividades agropecuárias.O motivo que leva um empregador a constar no cadastro é submeter trabalhadores a condições análogas à de escravo. As principais causas de manutenção do nome no cadastro estão relacionadas à não quitação das multas impostas; reincidência na prática do ilícito e ações em trâmite no Poder Judiciário. O Cadastro é encaminhado a uma série de órgãos públicos para conhecimento e utilização. Além disso, as empresas privadas pautam suas relações comerciais tendo em vista os nomes que constam docadastro.

 

Cadastro do MTE