Na segunda-feira (02), a noite, o Rotary Club Francisco Beltrão Cango reuniu representantes de entidades e lideranças que atuam em órgãos de trânsito em Francisco Beltrão para debater um problema bastante preocupante da região: os acidentes registrados na PR 483, trecho conhecido como “Bica D´Água”, na saída de Francisco Beltrão para Cascavel. O trecho tem cerca de 5 km e já foi palco de dezenas de acidentes, a maioria deles graves com vítimas fatais.

Para o debate, foram convidados o chefe do Debetran, Rudimar Czarniaski; o chefe do escritório regional do DER, engenheiro Roberto Machado dos Santos; o comandante do Posto da Polícia Rodoviária Estadual em Francisco Beltrão, Sargento Farias; e o comandante da Sexta Companhia da PRE no sudoeste, Tenente José Batista dos Santos, além de dirigentes de outros clubes de Rotary.

A reunião foi coordenada pelo presidente do Rotary Cango, empresário Elto Maronezi. Segundo ele, a intenção é desenvolver uma campanha de conscientização na rodovia para mudar o comportamento dos motoristas que, na maioria das vezes, cometem abusos que acabam provocando os acidentes. “O Rotary Cango quer envolver a sociedade para que a campanha de certo. Nossa ideia é colocar outdoors nesse trecho falando sobre os perigos que ele representa, uma forma de promover a educação dos motoristas”, disse.

A iniciativa foi muito bem aceita pela Polícia Rodoviária e pelo DER, que já autorizou a colocação do material de divulgação da campanha. De acordo com o engenheiro Roberto Machado dos Santos, normalmente para utilizar a faixa de domínio, o interessado deve ter autorização e pagar uma taxa anual ao DER, mas nesse caso como se trata de uma iniciativa de caráter educativo, o custo é zero.

Na avaliação da Polícia Rodoviária Estadual, a iniciativa é a melhor estratégia para evitar problemas no local. “É muito melhor orientar do que multar”, declarou o comandante da companhia. No entanto, alguns motoristas acabam extrapolando e a PRE não pode admitir que isso acontece, afinal o principal objetivo da instituição é proteger a vida.

Segundo o responsável pelo posto da PRE em Francisco Beltrão, Sargento Farias, equipes estão sendo deslocadas para realizar operações no trecho com frequência e o que se percebe a falta de sensibilidade dos motoristas. No domingo (01), por exemplo, foi utilizado o radar fotográfico no local e, em poucos minutos, foi possível registrar 102 veículos acima da velocidade. Um desses, inclusive, subiu o trecho a 162 km/h.

Elto  Maronezi frisou que a sociedade não quer mais ver vidas se perdendo nesse trecho, por isso o Rotary Cango está se mobilizando para educar os motoristas. “É um trecho com movimento intenso, principalmente de caminhões e não podemos deixar do jeito que está”, lembrou. Essa foi a primeira, mas outras reuniões para debater o assunto devem acontecer nos próximos meses, adianta Elto.

Fotos: Evandro Artuzi