por Ivan Cezar Fochzato

 

A 7ª Regional de Saúde, alertando a população de toda a região para cuidados a serem observados para se evitar acidentes graves por animais peçonhentos, que aumentam nesta época do ano, principalmente Lonomia conhecida popularmente por taturana e também com a aranha marrom.

 

Conforme dados do órgão regional, de 2007 a até abril de 2010, nos quinze municípios foram registrados 76 acidentes provocados pela taturana, sendo 46 leves; 24 moderados e 6 graves. Em relação aos casos provocados pela arranha marrom são 1mil e 078 no período.

 LAGARTA

Ao ter seu habitat reduzido devido ao desmatamento, a lagarta teve de se adaptar a outras vegetações, em regiões próximas aos centros urbanos, e com isso, a maior convivência com a lagarta, pode trazer alguns acidentes, pois quando em contato com ela, pode ocorrer uma alteração na coagulação sanguínea, provocando hemorragias. Os acidentes com lagartas de vários gêneros são comuns em todo o Brasil, principalmente nos meses quentes da primavera e verão.

 

As lagartas alimentam-se de folhas, principalmente de árvores e arbustos. A intoxicação ocorre pelo contato com as cerdas ou espículas da lagarta. O veneno está nos espinhos e atua no sangue provocando falta de coagulação. A manifestação inicial é dor e irritação imediatas no local atingido; dor de cabeça e náuseas; sangramentos através da pele urinam, pequenos ferimentos, nariz. A vítima pode ter hemorragias que podem levar à morte se não for prontamente atendida.

 

MEDIDAS PREVENTIVAS

 

– Olhar, atentamente, para as folhas e troncos de árvores, evitando contato com as taturanas.
– Verificar presença de folhas roídas, casulos ou pupas e fazes de lagartas no solo.
– Usar luvas quando manipular troncos, árvores frutíferas ou em atividades de jardinagem.

 

 

Aranha-Marrom (Loxosceles).

São animais pequenos, medem em torno de 4cm de diâmetro quando adultos. Sua coloração é marrom e possuem pernas longas e finas.

Não são agressivas, gostam de lugares escuros, quentes e secos. No ambiente externo, vivem debaixo de cascas de árvores, em folhas secas, em buracos, em telhas e tijolos empilhados, muros velhos, paredes de galinheiro e outros. Dentro das casas, ficam atrás de quadros, armários, entre livros, caixas de papelão e outros materiais que não são muito remexidos. Importante lembrar que materiais de construção (como tijolos, telhas, lajotas, azulejos, madeiras) guardados também servem de abrigo para as aranhas.Constroem teias irregulares com aparência de algodão esfiapado e se alimentam de pequenos animais como o tatuzinho e principalmente insetos, como formigas, pulgas, traças, preferencialmente cupins.

 

COMO ACONTECEM OS ACIDENTES

As Loxosceles saem em busca de alimento à noite, e é neste momento que podem se esconder em roupas, toalhas, roupas de cama e calçados.Os acidentes acontecem quando a pessoa, ao se vestir, ou mesmo durante o sono, comprime a aranha contra a pele.A picada nem sempre é percebida pela pessoa, por ser pouco dolorosa. A dor pode iniciar várias horas após.As alterações locais mais comuns são: dor em queimação, vermelhidão, mancha roxa, inchaço, bolhas, coceira e enduração. Dias após, podem ocorrer outras alterações como necrose, dor de cabeça, mal-estar geral, náuseas