A psicóloga Dilma Schirr, apresenta todas as quintas o quadro de orientação “Conhece-te a Ti Mesmo”. Sucesso na programação da Rádio Onda Sul FM, os temas abordados, são indicados pelos ouvintes. Abordando o tema casamento, a psicóloga responde a seguinte pergunta:

Se você não é feliz no casamento é correto você deixar o seu cônjuge?

Dilma Schirr inicia explicando que existem vários tipos de casamento:

(Foto Ilustração)
  • Compartilhe no Facebook

(Foto Ilustração)

– Existe o casamento como uma instituição social, aquele casamento tradicional em que você namora, tem um noivado, casa e constitui família, sendo que as regras e os padrões seguem essa tradição. O casamento aberto, onde um promove o outro, um coopera com o outro e ambos estão em um crescimento muito grande, e pode ser fechado ou aberto nos termos de vida sexual, normalmente o casamento aberto é com a fidelidade, mas existem alguns casamentos que abrem essa possibilidade.

– Existe o casamento arranjando típico do século passado, mas até hoje pais vendem filhas e arrumam homens mais velhos para as filhas casarem pelo dote, pela posição social e etc. Então, nós temos esses resquícios de casamentos antigos e também é o nosso inconsciente e imaginário traz tudo isso para atualidade.

– Existe o casamento por companheirismo, que é um casamento onde a prioridade é o bem-estar dos parceiros sem atividade sexual ou uma eventual vida sexual. É um companheirismo, são dois parceiros, companheiros e vivem muito bem nessa organização, por opção de viver esse casamento, sem viver o afeto.

– O casamento é simbiótico, onde as necessidades de um são complementadas pelas necessidades do outro. Esse casamento é muito fusionado, dependente, mas se torna um casamento complementar, pois, um carente supre as suas carências do outro, um é dependente o outro supre a sua dependência, um não trabalha o outro trabalha e assim vai se complementando esse casamento que pode ser patológico como pode ser também por opção saudável.

– Existe também o casamento como opção livre, onde você tem um contrato consciente e esse contrato consciente vai levar você adiante dentro do teu ciclo vital.  Quais são as regras que nós vamos viver na educação dos filhos, como que vai ser a nossa programação em termos financeiros, qual vai ser o nosso sistema de fidelidade, de lealdade, cada um com as suas responsabilidades.

(Foto Ilustração)
  • Compartilhe no Facebook

(Foto Ilustração)

A psicóloga esclarece que existe um contrato dentro de todos esses casamentos e o inconsciente é mais forte do que o consciente. “O contrato inconsciente é aquele em que você nunca poderia ousar desafiar algum valor, por exemplo: ‘eu vou casar com você porque você é virgem’, mas durante o casamento você descobre que não era virgem, então era uma expectativa inconsciente muito grande não revelada e depois você descobre. Então nesse casamento existe já uma ferida afetiva, porque era uma expectativa muito forte em consciência de que esse casamento pudesse ter a esse vínculo só comigo e nunca ter tido esse vínculo primeiro para o outro homem ou com outra mulher.”

Sobre o que é ser feliz no casamento, Dilma explica: “Se espera que um casamento feliz tenha respeito, cumplicidade, admiração, onde seja companheiro do outro, tenham projetos de comunhão, uma sexualidade saudável, com fidelidade, verdade e lealdade. Isso é um casamento feliz. Você tem que tomar consciência do que você quer para tua história e como que você vai fazer para sair desse casamento, ou então permanecer nesse casamento aceitando os teus limites e os limites da outra pessoa.”

Confira o áudio na íntegra: