A chamada Reforma Política, até agora aprovada em primeiro turno pela Câmara dos Deputados, não foi bem recebida pelos leitores do RBJ. Através de enquete, opinaram que as propostas são superficiais e insuficientes para permitir uma esperança de mudança no atual quadro político nacional. A parcela que deposita crédito nas proposições tem o menor percentual de votação, apenas 4%

A maioria dos participantes da enquete (56%) apontaram que as propostas não representarão qualquer mudança positiva. Outros 36% consideraram que deveriam ser mais significativas. Outro dado revelado pela enquete é o alto grau de interesse da população pelo assunto público. Motivados pelo cansaço do atual modelo que privilegia pequena parcela da sociedade somado a indignação diante dos intermináveis escândalos de corrupção envolvendo agentes políticos, apenas 4% dos participantes da enquete disseram desconhecer o tema Reforma Política.

REFORMA – I ATO

Os deputados concluíram ontem (17) o primeiro turno de votações da Reforma Política. Propostas:

– Possibilidade para deputados federais, estaduais e vereadores, que em tempo especial, troquem de partido sem perderem seus mandatos.

– A ampliação do mandato para cinco anos para todos os cargos eletivos a partir de 2020 e o fim da reeleição para aqueles que assumam cargos a partir de 2016.

– Introdução na Constituição do financiamento privado das campanhas políticas.

– Exigência de impressão do voto.

As propostas de alteração serão analisadas por Comissão Especial e posteriormente votadas em segundo turno, o que deve ocorrer até o final deste mês. Posteriormente seguem para o Senado, onde podem sofrer mudanças.