Capitão Edson Cechinneel 9Subcomandante do 21º BPM), promotor Fabricio Trevisan de Almeida e Capitão Pitz (Comandante da 1ª Cia). Fotode divulgação
  • Compartilhe no Facebook

Capitão Edson Cechinneel 9Subcomandante do 21º BPM), promotor Fabricio Trevisan de Almeida e Capitão Pitz (Comandante da 1ª Cia). Fotode divulgação

O Promotor de Justiça, Fabrício de Almeida Trevisan, esteve na sede do 21º BPM para proferir uma palestra sobre ocorrências policiais, na manhã desta sexta-feira (25). Na ocasião, falou sobre a segurança na região. Trevisan afirmou que o sudoeste do Paraná é a última região que ainda não se perdeu o controle do crime, aqui se a PM aborda a noite inteira, a criminalidade diminui. Ao contrário de outros centros urbanos, a nossa região tem uma qualidade de segurança que não existe mais em outros lugares, ressaltou o Promotor.

Ele ainda fez uma reflexão sobre a responsabilidade da palavra de um policial, porque se tem a fé pública e muitas vezes os criminosos são presos a partir do testemunho do policial. “Infelizmente, hoje em dia poucas pessoas querem se comprometer, por isso na hora de ouvirmos testemunhas de um crime, muitos simplesmente não querem relatar o que viram, já o policial é uma testemunha por profissão e esse é o seu dever “, explicou Fabrício.

Foram utilizados exemplos de ocorrências em que ele já ofereceu denúncia, para explicar como o uso das novas tecnologias – câmeras de segurança e de celular – podem servir de prova de um crime e até mesmo livrar os policiais das falsas acusações. Citou o caso de um traficante que foi preso e estava algemado para ser entregue em flagrante na 19ª Subdivisão Policial, as câmeras de segurança registraram a sua chegada, sem nenhuma lesão corporal, logo após ele sai correndo e um dos PMs vai atrás. O bandido posteriormente acusa os policiais de terem o agredido, inclusive denunciava que tinha sofrido lesões corporais logo que tinha sido preso. Quando na verdade, conforme o testemunho do policial, o delinquente ao correr algemado com as mãos para trás acabou se desequilibrando e caindo no asfalto. “Foi graças as imagens do sistema de segurança da Polícia Civil que foi possível provar que o marginal mentia”, explicou o Promotor.

Segundo a avaliação do Subcomandante do 21º BPM, Capitão Edson Cechinel da Silva, que representou o Comandante do 21º BPM, Tenente Coronel Samir Wassouf no evento, “a vinda de autoridades como o Promotor sempre nos acrescenta, porque junto com o Ministério Público temos uma polícia mais eficiente e que anda de acordo com o preceito legal”, finalizou o Capitão Edson.