Representantes da APP-Sindicato e do Governo do Paraná estarão reunidos nesta quinta-feira (19), em Curitiba, para tentar um acordo e colocar fim à greve dos professores e funcionários das escolas estaduais. Em Palmas, sul paranaense, a categoria estará mobilizada na Câmara municipal, a partir das 09h. Aproveitando o encontro, a APP programou também, atos em frente aos Núcleos de Educação em todo o Paraná.

Para a delegada da APP-Sindicato em Palmas, professora Silvana Ribas, os projetos apresentados pelo Governo do Estado e que buscavam aprovação na Assembleia Legislativa, representavam o desmonte do plano de carreira do magistério estadual, reduzindo o quinquênio, extinguindo o PDE, alterando o teto previdenciário e abrindo o fundo do Paraná Previdência, que possui, atualmente, R$ 8 bilhões em caixa e que são destinados ao pagamento das aposentadorias dos funcionários do Estado.

Além disso, a categoria também reclama do fechamento de turmas, aumento de alunos por sala e a demissão de funcionários temporários, decisões que afetam profundamente o andamento das aulas e o trabalho dos professores, acarretando, até mesmo, em problemas de saúde, que fazem os profissionais enfrentarem mais dificuldades, isto porque, mesmo com o desconto mensal em folha, os funcionários públicos estaduais não têm acesso ao SAS (Sistema de Assistência à Saúde), porque o Governo do Paraná não realiza os pagamentos aos hospitais credenciados há mais de 4 meses.

O Hospital São Lucas, de Pato Branco, por exemplo, acumula um prejuízo de mais de R$ 800 mil e não recebe desde outubro do ano passado. Segundo o hospital, até o momento não há qualquer sinalização por parte do Governo sobre o pagamento da dívida. Já o Executivo estadual alega que a nova equipe econômica está realizando um levantamento das contas, para elaborar um cronograma de pagamentos.

Na capital do Estado, professores seguem acampados no Centro Cívico à espera de um entendimento com o Governo. A pauta da reunião de amanhã inclui o pagamento imediato de benefícios em atraso, incluindo a rescisão dos professores temporários que tiveram os contratos encerrados, terço de férias e auxílio alimentação. O encontro deverá acontecer no Palácio Iguaçu às 14h30, com a participação do secretário de Estado da Educação, Fernando Xavier.