Com mais uma safra iniciando, os produtores de maçã de Palmas, sul do Paraná, deparam-se com mais uma preocupação: Os elevados custos para o armazenamento da produção. O município conta com uma unidade armazenadora frigorífica da Codapar (Companhia de Desenvolvimento Agropecuário do Paraná), com uma estrutura composta por 19 câmaras frigoríficas e 03 ante-câmaras, com capacidade para armazenamento de 7.000 toneladas.

Custos de armazenagem chegam à 30% do custo total de produção. Foto:Arquivo RBJ/Guilherme Zimermann
  • Compartilhe no Facebook

Custos de armazenagem chegam à 30% do custo total de produção. Foto:Arquivo RBJ/Guilherme Zimermann

Com o inicio do novo mandato do governador Beto Richa (PSDB), o setor macieiro, através da Frutipar (Associação dos Fruticultores do Paraná), espera poder sentar novamente à mesa de negociações, para obter uma tarifa mais baixa para a utilização da estrutura da Codapar em Palmas. O presidente da Frutipar, Ivanir Dalanhol, demonstrou otimismo, mas também preocupação.

Salientou que manterá contato com o secretário da Agricultura, Norberto Ortigara, para tratar sobre a questão. Pontuou que, na sua opinião, a estrutura da Codapar serve para fomentar a atividade da maçã em Palmas. Dessa forma, não deveria onerar os produtores com custos tão elevados. Segundo Dalanhol, atualmente, o armazenamento tem tomado em torno de 30% de todo o custo de produção, o que faz os produtores palmenses perderem competividade no mercado.

Outro ponto a ser negociado junto ao Governo, diz respeito à subvenção do seguro agrícola, o que, conforme Dalanhol, é anunciado pelo Governo Estadual, porém, frequentemente, faltam recursos para a fruticultura.

Ouça: