Operação deflagrada pelo Ministério Público do Trabalho, Ministério da Economia e Polícia Federal nesta semana, resgatou seis trabalhadores em condições análogas à escravidão, no interior de Coronel Domingos Soares. A Procuradora do Trabalho em Pato Branco, Luísa Carvalho Rodrigues, em entrevista exclusiva à Rádio Club de Palmas, comentou sobre o caso.

+ Trabalho escravo: operação resgata trabalhadores em Coronel Domingos Soares

A ação ocorreu a partir de denúncias de que trabalhadores na extração de madeira para fabricação de compensados, eram mantidos em situação degradante, dormindo em alojamentos improvisados, sem água potável, sanitários, chuveiros ou condições mínimas de higiene. Além disso, nenhum deles tinha a carteira de trabalho de assinada.

Durante a operação, o empregador efetuou o pagamento das rescisões dos contratos e assinou as carteiras de trabalho dos empregados libertados, que terão acesso ao seguro desemprego. Porém, a empresa ainda pode ser penalizada. “Essas medidas adotadas, foram emergenciais, para garantir o mínimo aos trabalhadores. Agora, os auditores do trabalho seguirão com seus trabalhos, que podem culminar na lavratura de autos de infração por desrespeito à Lei. Já o Ministério Público do Trabalho buscará uma reparação por danos morais à esses trabalhadores”, salientou.

Ouça a entrevista no player abaixo: