Um órgão que tem se tornado cada vez mais conhecido da população, principalmente na hora de exercer o seu direito como consumidor é o Procon (Fundação de Proteção e Defesa do Consumidor). Em Palmas, sul do Paraná, por exemplo, são realizados, em média, 600 atendimentos por mês.

Conforme a coordenadora do Procon, Madeleine Sangali em entrevista à Rádio Club, em Palmas os serviços de telefonia, produtos que apresentam defeitos após a compra e TV por assinatura, lideram as reclamações. Mas, destacou que o órgão também atua na renegociação de dívidas, refinanciamentos, restrição ao nome em serviços de proteção ao crédito, entre outras ramificações do direito do consumidor.

Dentre vários assuntos abordados por Sangali, um ponto que foi destacado, é com relação às compra via internet. Com preços mais acessíveis e melhores condições de pagamento, o mercado eletrônico tem ganho adeptos à cada dia. Mas com esse crescimento, aumenta também a atuação do Procon nesse meio. Conforme Sangali, como qualquer outra forma de comércio, onde existe relação de consumo, o Código do Consumidor prevê meios como direito de arrependimento em 7 dias, onde o consumidor pode pleitear a devolução do valor já pago e o cancelamento da venda.

Outra situação enfrentada pela maioria das pessoas, é o atendimento em instituições bancárias. Por diversas vezes, ao tentarem realizar qualquer transação, os usuários sofrem com a indisponibilidade de sistemas e o longo período de espera nas filas. A coordenadora do Procon orientou, que caso não seja possível realizar transações como pagamentos,  depósitos, entre outros, por problemas técnicos apresentados pelo banco, o cliente tem direito a realizar o pagamento, posteriormente, sem a cobrança de juros.

No caso da demora nas filas para o atendimento, o Procon pode ser procurado, onde será feita a notificação à instituição financeira, podendo o cliente recorrer à instâncias judiciárias, caso sinta-se lesado de alguma forma. 

Ouça a entrevista com a coordenadora do Procon em Palmas: