Nos últimos dias, o PROCON de Francisco Beltrão tem recebido alguns consumidores relatando casos parecidos de um golpe que já é antigo, mas que pelo período pandêmico que vivemos, pode ter se agravado.

Em entrevista à rádio Onda Sul, a diretora da unidade, Dra. Helena do Couto, relatou que o golpe ocorre da seguinte forma. O consumidor vê um anúncio na internet, normalmente nas redes sociais (facebook, ou recebe via mensagem no whatsapp) sobre uma oportunidade de contratar um empréstimo de maneira rápida e fácil, entra em contato com a financeira e tratam da documentação.

Segundo o relato das vítimas, para aprovar o empréstimo e liberar o dinheiro, a empresa pede que o consumidor deposite um certo valor em uma conta bancária para pagamento de taxas, seguro ou algo relacionado ao avalista. Normalmente, após realizar o primeiro depósito, a empresa continua solicitando que mais valores sejam depositados, com a justificativa de novas tarifas, e o empréstimo nunca é liberado.

Segundo Helena do Couto, essa conta em que o consumidor faz o depósito, em geral, é de uma pessoa física, uma poupança de um laranja. Minutos depois que o dinheiro é creditado ele é sacado, e fica muito difícil reaver os valores.

Ela alerta que com a pandemia, os problemas financeiros se agravaram, muitos procuram uma solução rápida, e essas ofertas são atrativas pela propaganda de facilidade em obtenção do crédito. Além disso, os criminosos são persistentes e convincentes, às vezes se passam por funcionários de grandes bancos, outras criam um material de uma “empresa” de fachada.

A orientação segundo a diretora, como se trata de um crime, as vítimas devem procurar a delegacia e registrar um boletim e ocorrência. Ouça:

 

O texto contém informações da assessoria