A agressiva concorrência no ramo de supermercados e hipermercados tem levado o segmento a intensificar negociações com fornecedores em busca de melhores preços. Conforme a ABRAS, a Associação Brasileira de Supermercados, a intensa demanda gerada pelas grandes redes faz com que elas negociem diretamente com a indústria. O objetivo é claro: oferecer condições mais vantajosas ao consumidor e, com isso, garantir sua preferência. Em paralelo, essa política ajuda a melhorar a competitividade e o grau de eficiência do setor, responsável por fazer chegar à ponta de consumo os produtos oriundos da indústria e do atacado.

 

Os hipermercados, em especial, seguem ampliando os itens comercializados. Além de bens de consumo imediato, como alimentos e produtos de limpeza e higiene, as lojas apresentam produtos típicos de outros segmentos do varejo: eletrodomésticos da linha branca, papelaria, cds e dvds, vestuário e calçados, informática e eletro-eletrônicos, chegando a componentes e acessórios para veículos. E, no caso de bicicletas, ofertam os próprios veículos.

 

O crescimento das classes D e E, com renda suficiente para integrar o mercado de consumo e elevada propensão a consumir, e a melhoria na renda da classe C, se revelam como variáveis importantes na expansão das vendas dos supermercados e hipermercados. Mas há outros elementos que favorecem o fenômeno, como o aumento do salário mínimo nacional e regional; o aquecimento do mercado de trabalho, em especial para a mão de obra qualificada; a elevação da média de remuneração em alguns segmentos; e a expansão da massa de salários, estimulando a demanda agregada.

 

São componentes que permitem ao segmento não só manter sua receita no dia a dia, mas ampliar suas vendas em relação aos anos anteriores também nas datas comemorativas tradicionais: Natal, Páscoa, Mães, Namorados, Pais e no dia Criança.

 

O desempenho do PIB calculado pelo IBGE aponta o consumo das famílias como responsável por, aproximadamente, 60% da demanda total do país no 1º e no 2º trimestres de 2012, atingindo a maior representatividade na composição do PIB. É a comprovação de que a melhoria da renda familiar, materializada na ascensão das classes C, D e E, constitui o principal alicerce do aquecimento das vendas dos supermercados.

 

Esse crescimento pode ser tido igualmente como o principal fator condicionante das vendas do atacado medido pela ABAD -Associação Brasileira de Atacadistas e Distribuidores de Produtos Industrializados. Seus dados mostram que agosto foi o de maior faturamento mensal no ano: R$ 1.463.134.916, com crescimento real de 6,39% sobre o mês anterior e 5,45% de crescimento real sobre mesmo mês do ano anterior. Mais ainda, representa 5,28% de crescimento acumulado no ano.

 

Conforme a ABAD, no mesmo mês de agosto a participação de cada região do país no total das vendas teve o Sudeste como líder, com 49,33%, seguido pelo Nordeste, com 18,81%. O Norte representou 11,39%, o Centro-Oeste, 10,43%, e o Sul fechou a lista, com 10,04%.

 

O índice do Sul chama a atenção por ser inferior ao das regiões Norte e Centro-Oeste e apenas ultrapassar, por pouco, a metade do desempenho do Nordeste. O que deve explicar esse fraco desempenho é o fato das outras regiões possuírem um número de beneficiados do Programa Bolsa Família que é o triplo da região Sul, além da receberem um conjunto maior de programas sociais do governo federal.

 

Mostra-se evidente que os programas sociais permitem como resultado uma elevação do consumo das populações dos estados com população de baixa renda, o que resulta em melhor desempenho de supermercados e dos ramos representados pela ABAD.

 

Como boa parte dos beneficiários destes programas pertencem às classes D e E, toda renda adicional é destinada ao consumo, ou ainda, em melhoria da qualidade do consumo.

 

São as novas fronteiras do mercado consumidor batendo às portas do comércio e exigindo estratégias adequadas para fazer frente à demanda e as preferências próprias do perfil deste novo cidadão brasileiro.

 

* Darci Piana

Presidente do Sistema Fecomércio Sesc Senac PR 

Cidadão Honorário de Palmas