Pela primeira vez, todo o rebanho leiteiro de Francisco Beltrão será atingido pelo Programa Municipal de Combate a Brucelose e Tuberculose. A partir deste ano, médicos veterinários percorrerão todo o interior do município e vacinarão todos os animais bovinos e bubalinos com mais de seis semanas, com subsídio de 50% pago pela Prefeitura, conforme determina a legislação municipal.

A medida, que visa melhorar a sanidade animal, é inédita na região e foi iniciada nesta quinta-feira, quando aconteceu o lançamento prático na propriedade de Gumercindo Rodrigues, em Sede Galdino. “Na prática, o benefício do subsídio nem sempre alcançava a grande maioria dos produtores, mas agora queremos chegar a todas as propriedades leiteiras do município, por isso disponibilizamos exames para 55 mil animais, praticamente todo o rebanho”, explicou a secretária de Desenvolvimento Rural, Daniela Celuppi, durante o evento.

Para credenciar os profissionais que farão os exames, a Prefeitura lançou um chamamento público e contou com a parceria do Núcleo de Médicos Veterinários (Nuvet) da Associação Empresarial (Acefb). Dezesseis veterinários foram credenciados para atender as propriedades do interior, dividido em 16 regiões. Durante as visitas dos veterinários, os produtores preencherão um formulário com informações econômicas e sociais da propriedade, para subsidiar a Secretaria com um diagnóstico do interior, além de terem a localização contemplada com o georreferenciamento por GPS.

A sanidade dos animais é um dos itens que compõe o programa Leite +Vida no Campo e, segundo o prefeito Antonio Cantelmo Neto (PMDB), visa colocar o município em um patamar privilegiado no Paraná. “Nos últimos anos o município se preocupou com a quantidade; hoje somos a maior bacia leiteira do estado e o leite é uma das principais fontes de renda no interior, mas nosso objetivo maior agora é garantir a qualidade do leite e buscar a certificação de área livre da tuberculose e brucelose”, afirmou o prefeito.

Na ocasião, seu Gumercindo e a esposa, dona Anita, receberam o banner que identificará a propriedade como participante do Leite +Vida no Campo. “Só duas vezes que fiz exames nas vacas, porque não tinha muita cobrança, mas agora se tornou uma necessidade; se a gente quer vender, tem que mostrar que o leite é de qualidade”, disse o produtor em entrevista.

O veterinário Nelcir Basso destacou que ambas as doenças são zoonoses, ou seja, que também podem afetar os seres humanos. A brucelose é uma bactéria transmitida através da ingestão de leite não pasteurizado dos animais contaminados, já a tuberculose é transmitida pelo contato com os animais e ataca, principalmente, os pulmões.