Por meio de decreto, o prefeito de Francisco Beltrão, Cleber Fontana (PSDB), determinou a proibição de horas extras na Prefeitura por um período de 30 dias. Cada secretaria fará um levantamento da real necessidade da concessão de horas extras para os servidores. “Considero uma medida drástica, mas necessária”, enfatizou o prefeito. Além da questão econômica, ele explicou que outro objetivo é coibir possíveis abusos. De acordo com o prefeito, no período de 90 dias a Prefeitura chegou a gastar mais de R$ 1 milhão com estes pagamentos. De um investimento histórico entre R$ 100 mil a R$ 130 mil mensais, o valor chegou a R$ 350 mil ao mês. “Não podemos admitir o uso de horas extras para complemento de salário”, disse Cleber. Pelo levantamento realizado até o momento, em 2016 alguns servidores ganharam até três vezes mais que o salário base da categoria em função do acúmulo de horas extras, o que o chefe do Executivo considera um absurdo. “Sabemos que a situação de descontrole envolve a minoria, o que torna uma ação injusta em relação à maioria dos servidores municipais”, comentou o prefeito. Cleber Fontana reuniu os secretários para comunicar a decisão e esclareceu que as horas extras já feitas pelos servidores serão pagas de forma integral, mas, pelos próximos dias 30, não serão permitidas, até que um completo levantamento seja realizado. “Onde realmente houver necessidade, autorizaremos, mas em muitas situações não serão mais permitidas. Além de evitar excessos, é uma ação que a longo prazo trará uma boa economia aos cofres municipais”, finalizou o prefeito.