Em análise pela Prefeitura há 20 dias, a proposta do Plano de Cargos e Salários recebida do Sindicato dos Servidores Municipais (Sindisem) está em análise e fase final de elaboração. Durante a assembleia do Sindicato realizada na tarde de ontem, 18, o prefeito Antonio Cantelmo Neto (PMDB) explicou o andamento dos trabalhos e assegurou prazos para sua finalização para que possa ter validade para o próximo ano.

Alguns pontos do Plano já estão assegurados, como as garantias que os servidores possuem – os avanços horizontais de biênio e quinquênio e a cesta básica para os que ganham menos de dois salários mínimos – e a progressão que criará classes de avanços conforme a especialização do servidor. Porém, a parte da correção do piso inicial de muitas das categorias ainda é um ponto que, segundo Neto, será mais bem aprofundado, pela oscilação e o impacto na folha de pagamentos.

Há cerca de 20 anos que os servidores lutam pela aprovação do Plano de Cargos e Salários; que em março teve uma comissão especial instituída pela Prefeitura e Sindicato para formular a proposta, entregue no último mês.

O presidente do sindicato, José Carlos Knipoff confirma que no dia 30 de agosto, as 16h, está confirmada uma nova assembleia para debater o documento que o prefeito vai encaminhar à Câmara de Vereadores, porém o sindicato não aceita uma contraproposta diferente daquilo que foi encaminhado ao gabinete do prefeito.

O Plano contemplará 64 funções e quase 1.900 servidores. Somente os professores, educadores infantis, cargos em comissão e os contratados por emprego público não serão contemplados, pois tem um plano de Cargos e Salários diferente. O prefeito também se comprometeu em, no mesmo prazo, protocolar a proposta dos educadores infantis para o recebimento do piso nacional e explicou que neste ano a Prefeitura teve um saldo de contratações de apenas cinco servidores – 82 faleceram, se aposentaram ou se demitiram e 87 foram contratados.