Na tarde de terça-feira (11), o prefeito Ademir Fagundes (Gaúcho) de Rio Bonito do Iguaçu, se reuniu com moradores e lideranças da comunidade de Centro Novo, no Assentamento Marcos Freire, com o objetivo de esclarecer de quem é a responsabilidade do georreferenciamento dos lotes.

Este serviço de medição posteriormente possibilitará a entrega da titulação das terras por parte do Incra. A reunião foi conduzida pelo presidente da Associação Comunitária do Assentamento Marcos Freire (Acampf), Ivair Juncoski, o “Bota” – entidade que representa os assentados daquela região.

Durante sua explicação o prefeito Gaúcho deixo claro que o georreferenciamento é uma total responsabilidade do Incra. “Meu propósito nesta reunião foi alertar a população do assentamento que não gaste dinheiro com nenhuma empresa, pois o Incra estará realizando esse trabalho em breve de forma prática e rápida com o uso de um drone”, destacou o prefeito.

O entendimento do prefeito se baseia em matéria publica no site oficial do Incra na data de 4 de junho último, onde o Ministério da Defesa autorizou o uso de VANT (Veículos Aéreos Não Tripulados) para o georreferenciamento de áreas da reforma agrária e quilombolas.

O presidente da Acampf, o “Bota”, esclareceu que recentemente foram protocolados ofícios ao Incra por parte da associação, pedindo esclarecimentos sobre este serviço de georreferenciamento com drone e quais famílias estavam regulares e irregulares para a entrega dos títulos.

“Avisaram-nos que teremos em breve uma reunião com a superintendência do Incra aqui no Centro Novo; esperamos que eles venham e dêem um prazo para iniciar esse serviço. Peço a todos que tenhamos paciência, pois nosso povo está sem bloco (do produtor) e daí não consegue entregar leite nas cooperativas. Estamos com um problema sério. Temos que dar uma resposta ao nosso povo e o governo e o Incra precisa agilizar isso”, desabafa presidente “Bota”.

Prefeito esclarece sobre estradas

Durante a reunião vários moradores questionaram sobre as condições das estradas nos assentamentos. O prefeito Ademir Fagundes esclareceu que não está sendo fácil trabalhar com poucos recursos financeiros, sendo que o Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) não realiza nenhum repasse desde o início da sua gestão para custear nem que seja um litro de óleo diesel para as máquinas trabalharem.

“Estamos fazendo o possível com os poucos recursos que temos do município para melhor atender às condições de trafegabilidade nos pontos mais críticos. Uma vez que a extensão das estradas rurais no município é de quatro mil quilômetros, o que pode ser comparado a uma transamazônica. Peço paciência a todos que aos poucos vamos recuperando”, afirma o prefeito.

Fonte: Assessoria