A prefeitura de Manfrinópolis, no sudoeste do Estado,  decretou situação de calamidade pública por conta dos estragos registrados com o volume excessivo de chuva da noite de quarta-feira (09). Na ocasião o Rio Encantilado, que corta a cidade, transbordou e invadiu casas, estabelecimentos comerciais e prédios públicos.

Algumas residências, 15 pelo levantamento da prefeitura, foram totalmente destruídas sendo arrastada pela força da água. Uma mulher morreu e outra continua desaparecida. Trata-se de Josephina Paris, de 78 anos. Corpo de Bombeiros, Defesa Civil, Polícia Militar, Civil e funcionários públicos municipais trabalham sem parar desde a noite de quarta para atender as vítimas da enchente.

Conforme o prefeito Claudio Gubertti, cerca de 300 famílias foram afetadas e precisam muito do auxílio nesse momento. Em entrevista à Onda Sul FM hoje (10) ao meio dia, Gubertti lembrou que muitos trabalharam a vida toda para conseguir uma casa, um carro e um pouquinho de conforto e tudo isso se foi em poucos minutos. “Se você andar pela margem do rio é triste de ver. Tem móveis, roupas, eletrodomésticos, carros e pedaços de madeira, é o sonho de muitos que se acabou arrastado pela água. Até minha casa foi afetada. Eu tinha saído com meu filho para ajudar as famílias e quando voltei lá minha mulher e minha filinha estavam no forro chorando e pedindo ajuda, a casa estava toda alagada”, declarou o prefeito.

O prejuízo estimado é de cerca de R$ 3,5 milhões. Além da cidade, o interior também registrou muito estragos. Estradas foram danificadas e pontes levadas pela correnteza. O prefeito garantiu que já manteve contato com os governos do Estado e Federal em busca de auxílio para atender as vítimas e tentar recuperar a cidade. “ Somo uma cidade pequena, mas era bem arrumadinha, estava decorada para receber o menino jesus e tudo se foi. Mas não podemos desistir jamais, precisamos nesse momento nos unir para reconstruir e deixar Manfrinópolis como era antes, ou melhor do que era”, resumiu Gubertti.

Interessados em ajudar as famílias podem entrar em contato com a Secretaria de Ação Social por meio do telefone (46) 3562 -1001. Em Francisco Beltrão existem dois pontos de arrecadação de donativos. A Torno Ricci, no bairro Industrial, e a Km Pneus, na Avenida Júlio Assis Cavalheiro.

Fotos: Evandro Artuzi/RBJ – Reprodução Facebook