“O mercado de imóveis segue indefinido para os próximos meses, ou quem sabe, até o ano que vem”, disse o corretor de imóveis, Luiz Alberto Tomazoni. Por isso, não existe um consenso entre os especialistas de mercado imobiliário sobre a tendência de preços. Alguns afirmam que existe uma estabilização de preços por causa da grande oferta, porém a maioria continua acreditando na valorização dos imóveis, mas de forma contida. Tomazoni tem contato com empresários do setor, de grandes centros, como São Paulo e Curitiba, e por lá, a situação está agravada, forçando os corretores, investidores e proprietários de imóveis diminuírem o valor tanto para a venda, quanto para aluguéis.

Em Francisco Beltrão, os imóveis continuam com os mesmos valores de aluguéis, mas Tomazoni alerta: “está na hora do mercado de imóveis beltronense acompanhar os valores nacionais”, afirmou. “Hoje, são aproximadamente mil imóveis disponíveis para a locação, e só não são ocupados, porque os preços estão muito altos”, disse o corretor.

Já o corretor, José Carlos Vieira informa que não tem imóveis para locação disponível, mas concorda que o mercado segue a lei da oferta e procura. “Quanto maior for o número de imóveis disponíveis, menor o valor, mas se tiver poucos imóveis sobrando, daí o preço aumenta”, disse Vieira.

Outro corretor, Cláudio Borges explica que o preço do aluguel acompanha o salário mínimo, por isso o preço dos imóveis tem reajuste anual. “ Tem pessoas que procuram todas as imobiliárias, daí passa a impressão que falta imóveis. Mas na verdade está faltando imóveis novos, porque tenho bastante procura”, confirmou Cláudio.

Porém a opinião dos três corretores é padrão quando se fala no preço de aluguel das salas comerciais no centro. “Sobra salas comerciais, porque os proprietários pedem muito dinheiro, e fica difícil um empresário que está começando, conseguir se sustentar, fazer investimentos e ao mesmo tempo pagar o aluguel. Os proprietários precisam entender a realidade e baixar o valor imediatamente, para não ficar a sala fechada, sem inquilinos”, finalizou Vieira.