A PRC-280 deverá receber investimentos de mais de R$ 80 milhões para obras de duplicação e melhorias no trecho entre Francisco Beltrão e Pato Branco e no contorno de Marmeleiro, sudoeste do Estado, para, posteriormente, ser entregue à iniciativa privada. É o que consta na Lei Orçamentária de 2016, apresentada há algumas semanas à Assembleia Legislativa.

Os recursos a serem aplicados são oriundos, segundo o Governo, do ajuste fiscal proposto no inicio do ano, que permitirá investimentos de R$ 1 bilhão na malha rodoviária estadual. Desse montante, cerca de R$ 480 milhões serão destinados às rodovias que o Governo pretende pedagiar, dentre elas a PRC-280, entre Francisco Beltrão e General Carneiro.

O modelo de pedágio a ser implantado a partir de 2016 é inédito no Paraná. É chamado de concessão com subsídio. O Governo faz o investimento para que as tarifas sejam menores. Porém, as obras não serão licitadas e executadas pelo Estado. O dinheiro será repassado para as concessionárias, para que elas realizem as obras. Segundo a Secretaria de Infraestrutura, as empresas interessadas em administrarem os trechos serão convocadas a partir do próximo mês no chamado Procedimento de Manifestação de Interesse (PMI), para que realizem os estudos e projetos de engenharia.

Nesse modelo, a empresa arca com as despesas do projeto e é ressarcida caso não seja a vencedora da licitação que escolhe a concessionária. Nas últimas vezes em que o governo recebeu projetos assim, as propostas foram engavetadas. Em 2013, a Dalba Engenharia foi a responsável pelo projeto da 280, que não teve continuidade por ser considerado muito caro.

Dentro do Orçamento estadual também constam outros trechos rodoviários, dentre eles a pavimentação da PR-912 – Rodovia Dom Agostinho José Sartori, ligando Coronel Domingos Soares a Palmas. O que causa estranheza foi o valor que o Governo pretende destinar para o trecho, pouco mais de R$ 3 milhões, para uma obra orçada em mais de R$ 50 milhões.