Dos dias 01 a 07 de setembro, a população de Palmas, sul do Paraná, está sendo mobilizada à ir as urnas, não para escolher os seus deputados, senador, governador ou presidente da República, mas para reivindicar mudanças na política brasileira, através do Plebiscito Popular por uma Constituinte Exclusiva e Soberana do Sistema Político.

Essa iniciativa surgiu após as manifestações que tomaram as ruas do Brasil e busca “tirar da gaveta” do Congresso Nacional, o projeto da reforma política. O movimento está organizado em comitês, espalhados por todo o país e que estarão coordenando as votações da próxima semana. Segundo Eurides Rossetto, um dos coordenadores na região, o movimento busca a adesão de 10% do eleitorado brasileiro, para que esse projeto seja apresentado em Brasília, pressionando deputados e senadores.

"É importante que se mexam nos interesses dos deputados e senadores", aponta Rossetto
  • Compartilhe no Facebook

“É importante que se mexam nos interesses dos deputados e senadores”, aponta Rossetto

Explicou que haverão urnas identificadas, bem como, integrantes do movimento estarão tirando as dúvidas da população. Para participar, o cidadão deverá se maior de 16 anos e apresentar um documento oficial. Outra forma de participação será através de votação via internet.

Ressaltou Rossetto, que a manifestação é suprapartidária e busca “mudar as regras do jogo”. “Nas eleições de 2010, um deputado eleito gastou mais R$ 1,1 milhão. Um senador, R$4,5 milhões. Um governador, R$ 23 milhões. Para presidente foram gastos R$ 360 milhões. Ou seja, essas empresas que financiaram as campanhas é que serão representadas lá no Congresso Nacional e é isso que o movimento busca acabar.”, afirmou.

Em Palmas, as urnas estarão localizadas nos colégios CAIC, Sebastião Paraná, Padre Ponciano, Quilombola, Dom Carlos, Monsenhor Engelberto, no Instituto Federal do Paraná (IFPR), no Supermercado Chapecó, na unidade do SESC, além de uma urna itinerante que estará em circulação pela área central da cidade. Nos dias 06 e 07, o movimento dos sindicatos e do DCE (Diretório Central de Estudantes) do IFPR também estarão apoiando o movimento na Praça Bom Jesus.