Em nota encaminhada ao RBJ na tarde de segunda-feira (23), a Secretaria de Infraestrutura e Logística do Paraná (SEIL) informou que não há qualquer convênio formalizado com os municípios de Palmas e Coronel Domingos Soares, Sul do Paraná, para a realização de reformas ou reconstrução da ponte do Abarracamento. O assunto foi debatido em reunião entre representantes dos municípios e o Secretário da pasta, no mês de setembro.

Segundo a nota, equipes da secretaria estudam formas para que os municípios sejam incluídos no programa de pontes da SEIL. Nesse modelo, os municípios constroem as cabeceiras da ponte e o Estado fornece vigas de concreto , guarda-rodas e guarda-corpo, além de lajotas de concreto para a construção da travessia. Em função do fechamento fiscal deste ano, a secretaria pretende incluir a ponte do Abarracamento nos convênios a serem firmados no próximo ano.

Até o momento, as reuniões
  • Compartilhe no Facebook

Enquanto os representantes seguem em reuniões,

No mês de setembro, os prefeitos de Palmas, Hilário Andraschko (PDT), e de Coronel Domingos Soares, Valdir Vaz (PP), cumpriram agenda conjunta na Secretaria Estadual de Infraestrutura e Logística (SEIL), apresentando uma série de reivindicações para melhorias de estradas e pontes que ligam os municípios, em especial, a ponte do Abarracamento.

Com mais de 40 anos, a ponte é uma via importante para o escoamento da produção agrícola dos dois municípios, além da necessidade de deslocamento de estudantes e população residente na região. Projetos e mais projetos já foram apresentados para a construção de uma nova ponte. No entanto, nada sai do papel e a situação só piora.

não têm dado resultados.
  • Compartilhe no Facebook

a população tem que enfrentar a dura realidade.

No último dia 13, quando um caminhão realizava a travessia, parte da ponte não aguentou. Outro usuário da via tentou realizar a travessia, mas desistiu, por medo de o restante da ponte não suportar o peso de seu veículo.

Na reunião junto ao Secretário, José Richa Filho, os prefeitos manifestaram suas disposições para as contrapartidas municipais, mas, ficou apenas na conversa e a população segue esperando uma solução.