Foi publicada hoje(04), no Diário Oficial da União,  a Lei que institui a Política Nacional da Erva-Mate. O objetivo é aumentar a produção, a industrialização e a comercialização do produto por meio da oferta de linhas de crédito e financiamentos. A proposta também trata de assistência técnica e extensão rural de qualidade para os agricultores familiares e aos pequenos e médios produtores.O texto sancionado pelo presidente da república, Jair Bolsonaro, é do deputado Afonso Hamm, do Rio Grande do Sul.

Os estados do Rio Grande do Sul, Paraná, Santa Catarina e Mato Grosso do Sul são os maiores produtores de erva mate do País. A atividade é relevante para diversos municípios localizados entre as regiões Sudoeste e Sul do Paraná que movimentaram, em 2017, mais de R$ 80 milhões de reais com a venda do produto para as indústrias.

A erva-mate é o principal produto florestal não madeireiro da Região Sul e gera renda para 180 mil produtores familiares, numa cadeia produtiva que responde por 700 mil postos de trabalho e tem cerca de 700 empresas beneficiadoras.

Pela nova política política deverão também ser estimulados investimentos em inovação tecnológica, com foco no aumento da produtividade, qualidade e ampliação do mercado consumidor.  Estabelece que o poder público terá que apoiar o comércio interno e externo da erva-mate e de seus derivados e priorizar acordos e parcerias com entidades públicas e privadas.

Na  região há diversos municípios que se destacam pelas amplas áreas de cultivos e  plantas  nativas. Conforme o Valor Básico de Produção(VBP) apenas das áreas cultivadas em Palmas, a movimentação com a venda da erva alcançou R$ 2,4 milhões; Coronel Domingos Soares, R$ 4,1 milhões;   Clevelândia, R$ 2,9 milhões; General Carneiro, R$ 30,7  milhões; Bituruna, 40,3 milhões.