A partir desta terça-feira (14), a Polícia Federal de Dionísio Cerqueira, divisa com Barracão, sudoeste do Paraná e Bernardo de Irigoyen, na Argentina, voltou a realizar o registrado de refúgio para estrangeiros vindos de países com focos do vírus ebola, como Guiné, Libéria e Serra Leoa.

O serviço estava suspenso desde a última semana, com o anúncio de um paciente com suspeita de ebola em Cascavel, oeste do Paraná. O missionário africano, Sowleymane Bah, 47, saiu da capital da Guiné no mês de setembro e fez escalas no Marrocos, São Paulo e Argentina, entrando no Brasil após pedir asilo no posto da PF em Dionísio Cerqueira, no dia 23 de setembro.

Segundo a assessoria de comunicação da PF, não há orientação para a restrição de asilo à regugiados. O serviço será prestado normalmente, a menos que seja constatado risco à saúde pública. A medida, tomada como forma de precaução, foi descartada após a divulgação do segundo exame ao qual o paciente foi submetido, em que foi apontado resultado negativo para o ebola.