A Secretaria de Estado da Saúde recomendou na terça-feira (16) a ampliação da faixa etária de vacinação contra a gripe no Paraná. A partir de agora, pessoas com idade entre 58 e 59 anos também terão direito a imunização gratuita na rede pública de saúde.

A decisão está embasada em um parecer da Comissão Estadual de Infectologia, que se reuniu na sexta-feira (12) da semana passada. A ampliação só foi possível em virtude do saldo aproximado de 300 mil doses remanescentes da campanha de vacinação, encerrada no dia 5 de junho.

“Constatamos que esta faixa etária é mais vulnerável a complicações decorrentes da infecção pelos vírus da gripe. Por isso, tomamos a decisão de imunizá-las para evitar possíveis mortes pela doença”, ressalta a chefe do Centro Estadual de Epidemiologia, Cleide de Oliveira.

Durante a campanha de vacinação, iniciada em 4 de maio, cerca de 2,5 milhões de pessoas foram imunizadas no Paraná, o que representa 87,05% do público alvo estimado pelo Ministério da Saúde. A dose disponível neste ano é extremamente segura e concede proteção contra os três tipos de vírus influenza mais circulantes no país: influenza A (H1N1), influenza A (H3N2), influenza B.

O coordenador estadual imunização, João Luis Crivellaro, lembra ainda que as equipes de saúde devem continuar priorizando os grupos definidos na campanha, principalmente crianças, gestantes e pessoas com doenças crônicas, além de atender a nova faixa etária. “A campanha acabou, mas a orientação é que quem ainda não tomou a vacina compareça a unidade de saúde o mais rápido possível”, reforçou.

Desta forma, continuam sendo vacinados: crianças entre seis meses e menores de cinco anos, trabalhadores da saúde, gestantes, mulheres até 45 dias após o parto, idosos (+60 anos) e portadores de doenças crônicas.

PREVENÇÃO

– Além da vacina, existem outras formas de prevenir a doença. Com a chegada das baixas temperaturas, é essencial que as pessoas mantenham hábitos saudáveis e de higiene. “Manter ambientes arejados, lavar constantemente as mãos, não tocar olhos e nariz depois de tossir e espirrar, ou depois de tocar em superfícies contaminadas, são algumas medidas simples que podem evitar que as pessoas adoeçam, não apenas de gripe, mas também de outras doenças”, ressalta Crivellaro.

TRATAMENTO

– Em caso de suspeita de gripe, o paciente deve procurar atendimento o mais rápido possível, preferencialmente nas primeiras 48 horas após o início dos sintomas. “Não se automedique. Procure a unidade de saúde mais próxima e só utilize o medicamento indicado. O antiviral oseltamivir (tamiflu), por exemplo, está disponível gratuitamente nas unidades de saúde e pode ser retirado a partir da receita médica”, explica Cleide de Oliveira.