Duas novas espécies de moscas foram descobertas  na Unidade de Conservação Federal Refúgio da Vida Silvestre que abrange os municípios de Palmas e General Carneiro, sul do Paraná.  As descobertas – mosca-das-frutas e mosca-das-flores –  ainda não têm nomes catalogados cientificamente,

O trabalho  foi realizado pelos pesquisadores, Adriana Couto Pereira Rocha –  professora do curso de Ciências Biológicas do IFPR, campus Palmas e o doutorando pela Universidade Federal do Paraná, Marcoandré Savaris.  A detecção das moscas ocorreu ocorreu durante desenvolvimento do Projeto de Pesquisa “Caracterização da comunidade  Díptera do Refúgio de Vida Silvestre dos Campos de Palmas – REVIS.

O projeto – registrado na Coordenação de Pesquisa e Extensão (COPE) do Campus Palmas – começou em 2012  e as primeiras coletas foram feitas em setembro do mesmo ano. As moscas  foram coletadas em março e outubro de 2013 e a confirmação de que são de fato novas  ocorreu apenas em abril deste ano.

Conforme o pesquisador Savaris,  a mosca-das-frutas não tem importância econômica, ou seja, não é praga, mas traz consigo uma relevância ecológica e pode  ter  importância agrícola.  As funções ambientais das moscas ainda dependem de novos estudos. O próximo passo será o de nomear e descrever as novas espécies. Os pesquisadores voltarão a campo somente em março do ano que vem para tentar coletar novos exemplares e estudá-los novamente. Posteriormente, os resultados serão publicados oficialmente em revista acadêmica da área.

 “O estudo confirma os Campos Sulinos como um ambiente pouco explorado e com potencial para apresentar mais espécies endêmicas. Isso é extremamente importante para justificar a existência de unidades de conservação na região”, afirma a professora. Espera-se que mais espécies sejam confirmadas como novas e também haja uma análise mais abrangente do ambiente onde a mosca-das-flores e a mosca-das-frutas foram descobertas. O projeto deve terminar apenas em 2016.