Professores e estudantes do Campus Palmas do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia paralisaram as atividades nesta quinta-feira como forma de mobilização e manifestação contrária a aprovação da Proposta de Emenda à Constituição(PEC) 241 que deverá ser votada pelo Congresso Nacional. O governo federal pretende congelar o Orçamento da União por 20 anos implicando em cortes nos recursos financeiros  para saúde e educação, dentre outras áreas sociais. Uma passeata pelas ruas centrais de Palmas está marcada para o fim da tarde de hoje(22).

Na tarde e noite de quarta-feira, a questão foi discutida entre professores, servidores e estudantes que estiveram reunidos no ginásio de esportes do curso de Educação Física do Campus. Nesta quinta-feira, às 17h00, uma passeata que sairá do Centro Cultural Dom Agostinho até a Praça do Senhor Bom Jesus.

20160922_080250
  • Compartilhe no Facebook

A conta do ajuste fiscal vai ficar para os mais necessitados, avaliou Prof. Marlon

Na Rádio Club AM, prof. Marlon Silvestre Kierecz, disse que a intenção é chamar atenção da população para que tome conhecimento dessa PEC e conscientizá-la da gravidade da medida que o governo pretende aprovar ainda neste ano sem discutir com a sociedade as implicações negativas que isso poderá representar. Exemplificou que caso aprovada, o orçamento de 2018 será o mesmo de 2017, apenas com a correção inflacionária e daí em diante, os gastos públicos seriam definidos com base no limite do ano anterior mais a inflação. Isso significa que a cada ano poderá haver menos recursos para a saúde e educação, podendo ocasionar um colapso nos serviços públicos.

Avaliou que o impacto será  apenas para a população que atualmente depende do Poder Público, uma vez que as classes com maior capacidade financeira podem comprar os serviços. “Somos favoráveis ao controle de gastos pelo governo, no entanto, não vemos nenhuma medida que torne mais igual essa conta provocada pelo arrocho fiscal pelo déficit no orçamento”, disse ele.