O tema central foi “Desafios pastorais da família no contexto da evangelização”.

A Diocese de Guarapuava sediou nos dias 31 de outubro e 1º de novembro, o 5º Congresso Regional da Pastoral Familiar – CNBB Sul 2, coordenado pelo casal Jorge e Sandra Bovo (Coordenador Regional da Pastoral Familiar). O tema central foi “Desafios pastorais da família no contexto da evangelização”.
Dentre os temas tratados: “Educação da Família” (Psicóloga Dilma Schirr – Francisco Beltrão), “Sexualidade e Ideologia de Gênero” (Pe. Rafael Solano – Londrina), “Espiritualidade Família” (Dom Orlando Brandes – Arcebispo de Londrina e Referencial da Pastoral Familiar no Paraná), “Sínodo da Família” (diácono Juares Celso Krum) e trabalho em grupo pelas Províncias, sobre a atuação da Pastoral Familiar nas dioceses.
Disse Pe. Rafael Solano que Pastoral Familiar tem uma grande responsabilidade diante da Ideologia de Gênero, do conceito de pessoas e da evangelização da sexualidade: “A primeira delas é tornar-se profética. A Pastoral Familiar não pode ficar calada frente aos avanços que estão tendo para destruir e descompor a pessoa humana. Temos que fazer um trabalho corpo a corpo, assumir uma atitude mais contundente e, o mais importante, termos que nos formar. Se deixarmos a formação de lado, perderemos a força que a Pastoral pode ter dentro do ambiente da família do Paraná e do Brasil. É urgente resgatar a formação, o conceito de pessoa humana e a forma específica de ajudar a família como um todo”.
Dom Orlando Brandes avaliou positivamente o 5º Congresso da Pastoral Familiar: “Estivemos aqui, neste Congresso, para repassar os valores, para conviver e animar nossa Pastoral Familiar e ver nossas falhas, agradecer os avanços e ser verdadeiramente colaborador, porque acreditamos na família que veio do coração de Deus. A família é a obra prima de Deus. Jesus veio ao mundo pelo caminho da família. Eu gosto de dizer que no princípio de tudo está na família. O que precisamos, nesse tempo em que pai, mãe e filhos estão em crise, falarmos com positividade a respeito da família, porque no mundo de hoje se faz mais barulho por uma árvore que cai do que uma floresta que fica de pé, que são as famílias boas, lutadoras, fieis mas que não são divulgadas na imprensa. Se fosse divulgado na imprensa a quantidade de argumentos positivos, como saem os negativos, nós iríamos ver que a crise não é tão feia assim. Precisamos usar a Pastoral da Comunicação”.
A Diocese de Palmas-Francisco Beltrão participou com oito agentes da Pastoral Familiar.
Em anexo, áudio da entrevista com Pe. Rafael Solano e Dom Orlando Brandes.