Em sete anos, o município de Palmas, Sul do Paraná, registrou 640 acidentes de trabalho. Produção florestal, abate de animais e fabricação de artigos de metal foram as atividades econômicas com maior frequência de registros. Os dados foram levantados pelo Setor de Estatística da Rádio Club/RBJ junto ao Ministério Público do Trabalho (MPT).

No período entre 2012 e 2018, os acidentes de trabalho foram responsáveis por nove mortes em Palmas. Entre os tipos de ocorrências, fraturas, cortes, lacerações, esmagamentos, distensões e torções são as mais frequentes.

Entre as atividades econômicas, nesse período a produção florestal registrou 185 acidentes. No setor de abate de suínos, aves e outros pequenos animais foram 108 registros. Na fabricação de artigos de metal para uso doméstico e pessoal, 52 ocorrências.

Do total de vítimas de acidentes, 79% foram trabalhadores do sexo masculino, que foram também a totalidade das vítimas fatais.

Neste domingo (28), é celebrado o Dia Mundial em Memória das Vítimas de Acidentes e Doenças do Trabalho. A data foi instituída por iniciativas de sindicatos canadenses e escolhida em razão de um acidente que matou 78 trabalhadores em uma mina no estado da Virgínia, nos Estados Unidos, em 1969. No Brasil, em maio de 2005, foi promulgada a Lei No. 11.121, criando o Dia Nacional em Memória das Vítimas de Acidentes e Doenças do Trabalho.

Durante este mês, foi desenvolvido o Movimento Abril Verde, uma iniciativa do Sindicato dos Técnicos de Segurança do Estado do Paraná, com intuito trazer à sociedade a questão da segurança e saúde do trabalhador brasileiro.

A mobilização tem o objetivo de reduzir os acidentes de trabalho e os agravos à saúde do trabalhador, e mobilizar o envolvimento da sociedade, dos órgãos de governos, empresas, entidades de classe, associações, federações, sociedade civil organizada para prevenir e alertar sobre os problemas que ocorrem no mundo do trabalho e em decorrência do mesmo.