A receita total da Prefeitura de Palmas, sul do Paraná, nos oito primeiros meses de 2014 alcançou R$ 50,6 milhões, contra R$ 44,4 milhões em despesas. O superávit gerado no período é de, aproximadamente, R$ 6 milhões. Os números foram apresentados na tarde da última terça-feira (30) pelo contabilista do município, Ezequiel Goulart, em audiência pública de prestação de contas na Câmara Municipal.

Contabilista do município Ezequiel Goulart
  • Compartilhe no Facebook

Contabilista do município Ezequiel Goulart

Segundo Goulart, o superávit gerado é de extrema importância, já visando os gastos com o 13º salário e 1/3 de férias remuneradas do funcionalismo público. A estimativa do setor contábil é de que o município feche o ano com uma arrecadação de R$ 75 milhões, cerca de R$ 6 milhões a mais, do que o ano passado.

Conforme ele, o município está atendendo aos índices legais nas áreas de educação (24,49%), saúde (19,08%) e pessoal (40,36%). Sobre a saúde, considerou que pelas necessidades apresentadas pelo município, os gastos superam os índices mínimos. Alertou que, caso siga esse ritmo, os gastos com saúde se equalizarão aos gastos com educação, por exemplo.

Outra preocupação apontada por Goulart, é sobre a baixa arrecadação de tributos municipais. Assim como grande parte dos pequenos municípios brasileiros, Palmas é extremamente dependente de recursos federais e estaduais. Até o mês de agosto, mais de 88% da receita do município originou-se de outras esferas de governo. Reforçou que medidas como a realização de programas de recuperação fiscal e a efetivação de novas atividade econômicas, são formas de diminuir a dependência, mas que ainda não atingiram os resultados esperados.