Os desafios para conquistar um espaço no mercado de trabalho são inúmeros, principalmente com o atual cenário econômico do Brasil. E se a competitividade já é grande aqui, no exterior é muito maior. A  beltronense Débora Barbosa, (22) em recente visita ao Brasil comentou os desafios para se inserir no mercado de trabalho europeu.

Atualmente morando em Manchester, na Inglaterra, ela fala 7 idiomas: Inglês, Português, Espanhol, Russo, Alemão, Italiano e Chinês, além de ser intérprete do Manchester United, um dos clubes mais poderosos do mundo. Débora explica que as entrevistas de emprego na Inglaterra são bastante criteriosas. “É como se preparar para um exame. Principalmente quando se trata de uma companhia grande como o Manchester United ou o Bentley”, inciou. Segundo ela, as entrevistas são divididas em vários setores, cada um com uma etapa, e somente caso passe em todas, o candidato poderá ser contratado.

(Foto: Arquivo Pessoal)
  • Compartilhe no Facebook

(Foto: Arquivo Pessoal)

A beltronense contou como foi sua entrevista com o Bentley. “A entrevista começou às 8h em Crewe, uma cidade a meia hora de Manchester, onde fica a fábrica de carro deles, e foi até às 13h. A primeira hora, foi só para que pudéssemos nos conhecer. Éramos cinco candidatos, três rapazes ingleses, uma moça alemã e eu. Apenas um de nós iria sair de lá contratado”, esse período de uma hora, era o momento em que os candidatos poderiam se avaliar, conhecer as fraquezas e qualidades um do outro.

Logo após, os candidatos seguiram para uma mini palestra, ministrada por uma das gerentes da empresa, que apresentou o funcionamento da Bentley e toda a sua história. “Durante a terceira hora, cada um de nós ficou em uma sala separada, sendo entrevistado por 2 gerentes. Eram perguntas pessoais, sobre a indústria, sobre o setor. Durante a quarta hora, eles nos deram 30 minutos para preparar uma apresentação de slides (slides feitos a mão) de 10 minutos. Exatos 10 minutos, nem mais nem menos. Essa apresentação foi legendária. Os dois gerentes (diferentes da outra entrevista) ficaram impressionados. Na quinta e última hora fomos colocados juntos em uma sala, cercados por 20 gerentes diferentes. Nessa hora tínhamos que fingir estar sozinhos e ter uma reunião para decidir como fazer o próximo evento de lançamento do novo Bentley em Londres”. Ela lembra ainda que, nesse momento, cada conversa, cada decisão era avaliada pelos gerentes e nos minutos finais, deviam apresentar a decisão final.

(Foto: Arquivo Pessoal)
  • Compartilhe no Facebook

(Foto: Arquivo Pessoal)

“Estar lá, passar por isso, e ter recebido a oferta de uma vaga, foi algo tão intenso que eu acho que nenhum outro momento da minha vida forçou tanto as minhas capacidades quanto esse. Infelizmente a segunda entrevista, que era por telefone, eu não passei. A entrevista que fiz com o Manchester United foi parecida, mas não chegou nem perto dessa. O Reino Unido é o lugar mais competitivo do mundo na minha opinião, aqui só entram os melhores pois eles só querem os melhores. Então é preciso estar em constante aperfeiçoamento para estar aqui.”

Em recente post em seu perfil no Facebook, Débora relatou as falhas pelas quais passou e como utilizou cada uma para buscar o sucesso. Confira:

 

A importância em falhar, para se conseguir o sucesso

Aproveitando a ‘vibe’ de ter completado 22 anos de vida nesse sábado dia 16, quero compartilhar algo com todos vocês. Em uma das palestras que dei em Francisco Beltrão, alguém me perguntou se durante todos esses anos eu tive vontade de desistir. Eu não sou uma pessoa fraca, e detesto demonstrar fraqueza. Mas sinto que deveria compartilhar algo com vocês. Eu sempre postei no Facebook e no Instagram as minhas vitórias e conquistas. Gosto de compartilhá-las, gosto de inspirar. Mas dessa vez quero compartilhar também todas as minhas maiores derrotas. Faço isso simplesmente porque quero mostrar que todos nós falhamos, e que é justamente o falhar que nos ajuda a vencer. Então, vamos lá.

(Foto: Divulgação)
  • Compartilhe no Facebook

(Foto: Divulgação)

Em 2017 vocês viram a publicação do meu primeiro livro, livro este que foi escrito em 3 semanas. Mas o que o vocês não viram foram os outros 5 manuscritos que eu falhei em publicar. Eles eram ruins e nunca os terminei. Mas foi por causa deles que aprendi a escrever.

Também em 2017 vocês viram a criação da minha primeira companhia, companhia essa que foi criada em 7 dias. Mas vocês não viram as outras duas companhias que eu tentei criar em 2015 e 2016, mas falhei miseravelmente. Eu não sabia como abrir um negócio. Mas foi por causa delas que hoje eu sei exatamente o que estou fazendo.

 

Em 2016 vocês viram meu primeiro emprego fixo aqui na Inglaterra. Mas o que vocês não viram foram as 20 outras rejeições que eu recebi. E principalmente vocês não viram os 3 meses de espera, em que fui entrevistada duas vezes pela Bentley Motors para um emprego no setor de administração. A primeira entrevista em Crewe durou 5 horas e foi tão intensa que eu cheguei a vomitar de nervosismo no banheiro do trem a caminho de casa. Nessa eu passei, mas na segunda entrevista (que era muito mais fácil) eu falhei. Essa foi uma das maiores derrotas da minha vida, mas foi por causa dela que eu achei outro emprego e criei a minha parceria com a companhia de impressão 3D em Londres.

Em 2014 vocês me viram trabalhando com o Manchester United. Mas o que vocês não viram foi eu falhar em uma entrevista de emprego com o clube para ser hostess, antes de me tornar voluntária. Foi essa falha que me levou a mandar um email para o clube mais poderoso do mundo ameaçando levar meus talentos com idiomas para o Manchester City, despertando então o interesse deles em me entrevistar e abrindo a oportunidade para traduzir jogadores.

(Foto: Divulgação)
  • Compartilhe no Facebook

(Foto: Divulgação)

Em 2013 vocês me viram cursando faculdade na Inglaterra. Mas o que vocês não viram foi que eu falhei ao tentar entrar no curso que eu deveria ter entrado, ao invés recebendo uma oferta para fazer um cursinho de dois anos (inferior ao Bacharel que hoje estudo). Era aceitar isso ou voltar ao Brasil. O que eu fiz? Fui atrás de outro curso melhor ainda na faculdade que hoje tanto amo e que graças a ela comecei a trabalhar no Manchester United e ganhei a bolsa para estudar na Alemanha.

Não existe sucesso sem a falha. Todo mundo que hoje é bem-sucedido aprendeu a abraçar as falhas e crescer com elas. Foi graças a cada uma dessas falhas, que cheguei onde estou hoje. Em todos esses momentos eu quis desistir, mas desistir não está no meu sangue e enquanto eu respirar eu vou alcançar os meus objetivos. Eu ainda vou falhar muito nessa vida, mas algum de vocês acredita que isso me impedirá de conseguir tudo o que eu quero?

Aprendam a falhar, se quiserem vencer.