Por Adair De Toni

 

Criado no Brasil em 1962 pela lei nº 4.090 de 13 de fevereiro, o direito trabalhista Décimo Terceiro , “tecnicamente” deve ser pago em duas parcelas. A parcela número 1, de fevereiro até novembro e a segunda até no máximo dia 20 de dezembro. O cálculo para pagar este dinheiro “extra” é feito contando o número de meses trabalhados na proporção de 1/12 para cada mês. Acontece que quando chega a época de pagar esta “bonificação” de final de ano, o adorado patrão já começa a reclamar que a situação não está fácil, que o ano não foi dos melhores e que talvez ele tenha que tirar dinheiro do próprio bolso para pagar o décimo, já que a empresa pode não suportar, etc e tal.

 

Quando chega o Natal aquele patrão cristão, muitas vezes com seu ar superior vem então lhe pagar o salário que para alguns é prêmio, para outros é brinde ou bonificação. Uma pena que alguns trabalhadores burramente acreditem nisso. Na verdade, aquele salário a mais que vem no final de ano, nada mais é do que um direito do funcionário por um trabalho prestado, por um mês trabalhado.
Se até agora você ainda está sem entender nada, vamos lá para um cálculo simples.

 

Suponhamos que você ganha 600,00 reais por mês. Multiplicando-se esse ganho mensal por doze meses, temos ao fim do ano R$7.200,00. Quando chega o Papai Noel, o “adorado” e generoso patrão manda então pagar-lhe o conhecido Décimo Terceiro Salário ( de mais R$600.00 que somados ao que você recebeu no ano inteiro somam R$7.800,00). Depois disso, você vai para casa todo feliz. Você com um sorriso de bobo e o patrão com cara matreira do dever cumprido.

 

Agora veja bem o que acontece quando o empregado, ao invés de ouvir as lamúrias do chefe, faz um simples cálculo matemático.

 

Para isso, tem que responder algumas perguntas simples:

 

Primeira: Quantos meses tem um ano? Resposta óbvia. 12 meses.

 

Segunda: Quantas semanas tem um mês? 4

 

Terceira: Quantas semanas tem um ano? Resposta inteligente: 52 semanas!

 

Já percebeu a jogada? Se um mês tem 4 semanas. Multiplique isso por 12, que é o número de meses, o que lhe dará 48 semanas. Então como é que pode?

 

Simples: Estas 4 semanas a mais equivalem ao décimo terceiro salário. Ou seja, um mês trabalhado a mais. A explicação é simples, embora os nossos superiores nunca se tenham dado conta dessa análise simplíssima.

 

Então a resposta é que o patrão lhe segura uma parte do salário durante todo o ano, pela simples razão de que há meses com 30 dias, outros com 31 e também meses com cinco semanas. Pagando-lhe mensalmente, portanto, esse empresário se apodera de um dinheiro que não lhe pertence e isso porque o salário é o mesmo, tenha o mês cinco semanas, trinta ou trinta e um dias e depois, com um sorriso de crocodilo lhe presenteia um décimo terceiro. Dinheiro que o empregado deixou de receber. Não existe nenhum Décimo Terceiro. O patrão apenas lhe devolve o que deveria ter pagado quando você trabalhou.