Estudantes de Palmas, Clevelândia e Medianeira participaram no início do mês  da Oficina de Elaboração de Projetos e Mobilização de Recursos promovida pelo  Programa Sesi Indústria e Sociedade. As atividades foram desenvolvidas no Campus Palmas do IFPR com a participação de 30 estudantes dos cursos de pedagogia e enfermagem que desenvolveram projetos para melhoria da comunidade baseados nos indicadores dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM). Ao todo foram elaborados seis projetos em várias áreas.

Na área de meio ambiente ‘De olho no óleo’, propõe a coleta do óleo de cozinha para produção de sabão e redução do impacto ambiental. O outro ‘Plante esta Ideia’, prevê a criação de uma horta comunitária no bairro São Sebastião do Rocio.

Os participantes elaboraram ainda  o projeto Marias de Tróia’, para instituir  uma organização não governamental(ONG) de amparo às empregadas domésticas. No mesmo segmento, foi elaborado o projeto para a criação da ‘Associação das Mulheres Inovadoras’ (AMI), que busca o empoderamento da mulher para redução da violência doméstica.

Para as crianças do município, foram desenvolvidos os projetos ‘Tenho voz e tenho vez’, que em parceria com o Conselho Tutelar objetiva a redução do abuso sexual contra crianças e adolescentes. A proposta de combate a obesidade infantil no município está contida no projeto  ‘Alimentar também é educar’. No campo educacional está o ‘Escrevendo o futuro’, para arrecadação de materiais escolares.

A coordenadora executiva do Conselho Paranaense de Cidadania Empresarial, Rosane Fontoura, avaliou que os participantes desenvolveram bons projetos em apenas dois dias de oficina demostrando o potencial dos jovens da região. Conforme ela, que também foi palestrante da Oficina, todas as propostas visam alcançar os Objetivos do Milênio – ODMs que permitirão maior atuação social dos universitários.

A estudante de pedagogia, Liliane Schauss, destacou que durante as oficinas foram analisados os  indicadores sociais  do município que despertaram para o desenvolvimento dos projetos. “O evento nos trouxe informações e índices da realidade nos colocando como corresponsáveis por ações que possibilitem avanços nesses indicadores”, finaliza Schauss.