Os registros de violência contra crianças e adolescentes em Palmas, sul do Paraná, apresentaram redução 16,4% em 2018. Os casos foram relatados pelo Conselho Tutelar ao  Sistema de Informação para a Infância e Adolescência(SIPIA),  serviço que reúne dados e informações  para subsidiar a adoção de  políticas públicas.

Neste ano foram constatados 428 casos contra 512 no ano passado. Constam ocorrências de atos contrários a vida e saúde(37); Convivência Familiar/Comunitária(219);Educação e Lazer(77); Violência Física(22);Psicológica(12); Violência Sexual/Abuso(45). No período foram constatados 15 estupros  a maioria praticado por pessoas do círculo familiar e social.

Conforme o Conselho Tutelar tais números representam apenas uma parcela dos crimes cometidos, já que existe o silêncio para com a violência contra criança e adolescente. A realidade pode ser ainda mais grave, pois nem todos os casos chegam ao conhecimento e, com isso, ficam  sem registros pelo órgão. Em muitas situações ainda há encaminhamento direto das vítimas à polícia. Em comparação estadual, o município encontra-se na 12º posição no número de casos.

A população do município na faixa etária entre 0 e 18 anos é de aproximadamente 17 mil pessoas, conforme projeção do IBGE. O Art. 2º do Estatuto da Criança e Adolescente(ECA) considera criança a pessoa até doze anos de idade incompletos, e adolescente aquela entre doze e dezoito anos de idade.