O empresário da região Sudoeste do Paraná está preocupado com a comunicação visual e com a marca da própria empresa? Para Laudi Adanski, coordenador do Núcleo de Comunicação Visual (NCV) da Associação Empresarial de Francisco Beltrão (Acefb), ainda falta maior percepção. “Acredito que o empresário não está atento a esse contexto. Dá impressão que só conseguem ver a importância da comunicação visual ou da identidade visual da empresa quando se instala uma franquia no município, gerando maior concorrência”, analisa Adanski.

E a transformação de um empreendimento pode estar nas novas gerações. Exemplos de empresas administradas por familiares são encontrados em vários setores.  “Percebo que os filhos de empresários que estão cursando Administração estão pensando diferente, tem outra visão”, emenda o coordenador.

Na última terça-feira, durante o Café Acefb Informação e Negócios, o publicitário Adriano Amaro, da Ádamo Comunicação, abordou o tema “Como você cuida da marca de sua empresa”. “A marca de uma empresa deve ser preservada. Mas há empresários em Beltrão despreocupados com suas marcas, elas reproduzem um conceito. Por isso é importante planejar o símbolo da empresa de forma consistente”, afirmou Adriano, integrante do NCV. 

Sua marca está causando uma boa impressão?

Essa pergunta permeou o pensamento dos empresários presentes na reunião da semana passada. Segundo Adriano, investe-se muito nos funcionários e na estrutura das empresas. Já a marca é tratada por último. “Hoje em dia não se compra pela funcionalidade, mas pelo sentimento que esse produto provoca”, ressalta Adriano. E para reforçar o valor que uma marca pode atingir, uma pesquisa da Ranking Interbrand revelou que a marca Itaú foi avaliada em R$ 19,3 bilhões e manteve a liderança do ranking das mais valiosas do Brasil em 2013.