A Associação dos Engenheiros e Arquitetos do Sudoeste do Paraná (Sudenge) é o mais novo núcleo da Associação Empresarial de Francisco Beltrão (Acefb), de um total de 22 núcleos setoriais. Desde o dia 10 de novembro, as reuniões de trabalho da Sudenge vêm acontecendo na Acefb. E no último dia 8 de dezembro aconteceu a eleição do novo presidente da Sudenge. O engenheiro civil Alexandre Sabadin passou o cargo para Jean Dompsin, que assume em janeiro de 2017. A eleição teve chapa única e foi eleita por unanimidade pela Assembleia para o mandato de 2017 a 2019.

Conforme Sabadin, pessoas que há tempo não participavam das reuniões da Sudenge estiveram presentes na eleição e confraternização. “Já fizemos duas reuniões esse ano na Acefb. Acredito que no ano que vem a participação será maior ainda, principalmente focando nos profissionais que estão entrando agora no mercado de trabalho. Pedimos a aqueles que estão se formando, que venham participar da Sudenge”, convida Alexandre.

“Considero o trabalho que o Alexandre vinha fazendo muito positivo. Atitudes tomadas por ele fizeram com que nosso caixa ficasse com saldo positivo. Vamos dar continuidade nos trabalhos, trazendo especializações para os profissionais da Sudenge e recém formados, que nos trarão atualizações sobre novas normas, palestras, cursos, unindo mais a categoria”, considera Jean, que fica no comando da Sudenge até final de 2018. “Queremos fazer parcerias com a prefeitura, empresas e sociedade, discutindo os novos rumos do Município”, pontua Jean.

Sobre o atual mercado

“O mercado não está muito bom para a engenharia, caiu muito nos últimos dois anos devido à situação política e econômica do Brasil. E a primeira queda foi verificada na construção civil, pois as pessoas não constroem se não tiveram dinheiro e se o País não vai bem”, analisa Sabadin. E nessa esteira vem os construtores – pedreiros e serventes. “Quase todo dia nos ligam pedindo se não tem trabalho”, informa Alexandre.

Jean acredita que a maioria das construções de hoje são feitas por necessidade e não por investimento. “Por outro lado a crise fez com que muitos “paraquedistas” que caíram no ramo da construção civil, a partir do Programa Minha Casa Minha Vida, passassem a se preocupar em realizar um trabalho com qualidade. Tinha gente que mal sabia fazer massa, por exemplo, e já se intitulavam mestres de obras. Como a demanda para construção era tão grande, muitos clientes contratavam pessoas sem formação qualquer. A vantagem disso é que os funcionários estão se esforçando mais e nós conseguimos contratar profissionais mais bem capacitados. Tudo isso acarreta menos riscos de acidentes em obras, refletindo em qualidade nas obras do cliente final.”

Mudança

Sabadin volta no tempo e recorda como mudou o cenário da construção civil de 2009 até hoje. “Naquele período, a pessoa tinha um dinheiro guardado, comprava um terreno, contratava um engenheiro e construíam umas casas com mão de obra desqualificada. Hoje, conseguimos ver que existem construtoras preparadas para estar no mercado, algumas se prepararam para enfrentar essa crise e se manter no mercado, abrindo novos caminhos.”

Para Sabadin, o ingresso da Sudenge na Acefb foi motivado por mudanças internas da associação de engenheiros, pois a entidade empresarial com 54 anos de história é referência em organização de eventos, cursos e palestras. “Não tínhamos mais como nos manter sozinhos. A Acefb vai nos dar a base que precisamos.”

Alexandre comandou a Sudenge por quatro anos e agora assume uma função no Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (CREA-PR). “A nossa recente parceria com a Acefb vai fortalecer ainda mais a associação de engenheiros, que em 2017 completa 30 anos de história.”

Jean e Alexandre pretendem visitar os cursos de engenharia da região Sudoeste. Crédito: Darce Almeida/Acefb.
  • Compartilhe no Facebook

Jean e Alexandre pretendem visitar os cursos de engenharia da região Sudoeste.
Crédito: Darce Almeida/Acefb.

Membros da diretoria 2017/2019

– Presidente: Jean Robert Dompsin

– Vice Presidente: Daniel Damin;

– Primeiro Tesoureiro: Cesar Rubert;

– Segundo Tesoureiro: Paulo Ricardo Colpani;

– Primeiro Secretário: Edson Júnior Vanin;

– Segundo Secretário: Marco Antonio Baú de Carli;

– Conselho Fiscal: Ivo Antonio Gasparin Junior, Ademir Antonio Schwartz e Celso Mezzomo.

– Suplentes do Conselho Fiscal: André Luiz Tomazoni, Vitor Hugo Fernandes e Alexandre Roberto Sabadin.

Ações

Uma das ações da Sudenge para 2017 é visitar as universidades Unipar e Unisep que possuem cursos de engenharia, com o objetivo de trazer acadêmicos e coordenadores de cursos para as reuniões, aproximando-os ainda mais da Sudenge, bem como da Acefb. “Geralmente os recém-formados saem da universidade sem uma base ou local para buscar orientações. Esse será um dos nossos focos, pois nos preocupamos com a formação dos novos profissionais. A gente precisa que esses profissionais que estão saindo tenham a real consciência da responsabilidade da vida de um engenheiro civil, bem como das outras engenharias. Temos que lembrar ainda que a engenheiros e arquitetos se correlacionam, e essa aproximação é muito importante”, disse Sabadin.

Almoço festivo

No último sábado, 17, a Sudenge promoveu confraternização para os associados, no Santa Fé Clube de Campo. Participaram do almoço festivo 30 profissionais. O estatuto da Sudenge prevê reuniões quinzenais na Acefb, em horário a ser definido. Interessados em participar do Núcleo da Sudenge podem entrar em contato com a Acefb no fone (46) 3905-1450. A Sudenge tem em seu quadro de associados em torno de 100 profissionais.