Por Larissa Mazaloti

 

Mais de 250 trabalhadores e cerca de 300 lojistas estarão mobilizados para a realização da oitava edição do Sudoeste Mostra Moda 2012 que acontecerá no dia 12 de setembro em Pato Branco, no Clube Pinheiros, com o tema é Arquitetura. No ano passado, em Francisco Beltrão o tema foi Música.

 

O Sudoeste Mostra Moda é um evento que contempla a produção local – regiões sudoeste e oeste do Paraná e oeste de Santa Catarina – com desfile das coleções e uma exposição do que é feito nas indústrias.

 

Para a Diretora Executiva do Sinvespar (Sindicato Das Indústrias Do Vestuário Do Sudoeste Do Paraná) Solange Stein que coordena o Sudoeste Mostra Moda, o evento já está consolidado na região e é o mais antigo do Paraná neste setor. “Há outras programações que iniciaram também em 2002, 2003 e 2004, mas que já não existem mais”, relata.

 

Ela explica que este ano houve um atraso no calendário que geralmente tem agosto como um mês de lançamentos e por isso era data certa do Sudoeste Mostra Moda. Isso ocorreu por conta da Gripe H1N1 que preocupava Pato Branco.

 

O tema

 

Conceitos de seis arquitetos reconhecidos mundialmente abrirão o desfile com looks criados pela estilista Giovana Bággio. Serão roupas conceituais inspiradas em obras de arquitetura, como por exemplo, as do brasileiro Oscar Niemeyer. Empresas devem estrear na passarela.

 

O mercado

 

Solange relata que estão sendo compiladas informações de um diagnóstico geral do setor da indústria da moda na região. Os últimos dados são de 2004 e segundo ela está acontecendo uma transformação. Ela afirma que a tecnologia evoluiu no que diz respeito a área de desenvolvimento mas que a questão fabril ainda está muito presente. “Se focarmos apenas na produção e não conseguirmos associar à criação, o desenvolvimento há queda no valor agregado e isto está acontecendo”, esclarece.

 

Ela lembra que em 2000 o ramo estava há dês anos em primeiro lugar no ranking de valor adicionado fiscal na indústria de transformação e atualmente ocupa o quarto lugar. “Uma queda sensível na rentabilidade”, comenta Solange. No entanto ela não deixa de citar a geração de aproximadamente nove mil empregos diretos. “Por este lado, quase que uma questão social”, completa.

 

De acordo com a Secretária Executiva do Sinvespar este é um ano coplicado. Em 2010 houve uma superação de dois anos anteriores de crise e que 2011 foi positivo. Mas a partir de setembro começou uma queda que perdura até agora. “Está parado. O meio não reagiu conforme o esperado”, lamenta e garante que não há condições de trabalhar apenas seis meses ao ano mas pondera que não se trata de algo pontual e sim de uma crise em todo o Brasil.

 

PROMODA

 

Solange Stein conta que agora a expectativa é mudar a cara do setor em quatro ou cinco anos. Esta é a proposta do Programa PROMODA 15 que pretende atender a necessidade da indústria da moda continuar empregando e gerando renda. O programa tem projetos que vão auxiliar as empresas e construir um setor mais forte e expressivo.