Fonte:SOS Mata Atlântica
  • Compartilhe no Facebook

Mapa Bituruna 2000-2013 Fonte:SOS Mata Atlântica

Entre 2012 e 2013, foram desmatados mais de 2,1 mil hectares, o equivalente a 2 mil campos de futebol, de remanescentes de Mata Atlântica no Paraná. As informações foram divulgadas pela ONG SOS Mata Atlântica e pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) na última quarta-feira (17), através do Atlas dos Municípios da Mata Atlântica 2014 – Ano base 2013.

Fonte:SOS Mata Atlântica
  • Compartilhe no Facebook

Mapa Cel. Domingos Soares 2000-2013 Fonte:SOS Mata Atlântica

A região centro-sul do Estado foi a que apresentou maior índice de desmatamento. O município de Coronel Domingos Soares registrou 134 hectares de supressão de florestas, seguido por Bituruna com 102 hectares, 2º e 3º maiores desmatadores do Estado, respectivamente. Na região, os municípios de Pinhão (55 ha), União da Vitória (54 ha), Reserva do Iguaçu (35 ha), General Carneiro (21 ha) e Mangueirinha (10 ha) também aparecem na lista de desmatamento. No período 2012-2013, o município de Palmas não registrou ocorrências do gênero.

Mapa Palmas 2000-2013 Fonte:SOS Mata Atlântica
  • Compartilhe no Facebook

Mapa Palmas 2000-2013 Fonte:SOS Mata Atlântica

Porém, o que chama atenção são os dados consolidados de 2000 a 2013. Nesse período, foram desmatados 5,4 mil hectares de Atlântica em Bituruna, o que coloca o município como o 5º maior desmatador do Brasil e o 1º no Paraná. Coronel Domingos Soares aparece em 8º lugar no país e 2º no Estado, com 4,6 mil hectares de floresta desmatados. Palmas é apontado como o 3º maior do Paraná, entre 2000 e 2013.

Segundo a ONG SOS Mata Atlântica, o Paraná já esteve em situação mais grave em relação aos índices de desmatamento, mas atualmente, com a vigência da Lei da Mata Atlântica e do Código Florestal, as taxas de desmate estão caindo. O estudo verificou a situação de 3,4 mil municípios brasileiros que têm áreas de Mata Atlântica. O monitoramento é feito há 28 anos pela ONG por meio de tecnologia de sensoriamento remoto e geoprocessamento.

Fonte:SOS Mata Atlântica
  • Compartilhe no Facebook

Fonte:SOS Mata Atlântica