A Escola Sinhara Vianna de Palmas, sul do Paraná, estará recebendo um valor de R$ 52 mil reais originados de uma multa aplicada pelo Ministério Público do Trabalho(MPT-PR) contra o proprietário de uma fazenda do município, por descumprimento a Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) por constatação de trabalho análogo à escravidão.O dinheiro deverá ser aplicado na construção de uma cozinha, instalações sanitárias e à execução de serviços complementares da unidade da APAE do município.

Conforme o MPT-PR, o TAC foi firmado  em 2011 após uma operação que constatou a existência de trabalhadores em alojamento precário em condições degradantes, preparo de alimentos sob uma lona e ausência de instalações sanitárias, bem como,  transporte em  veiculo improvisado. A referida propriedade era arrendada para corte de pinus.

O ajustamento determinava que não fosse permitida a permanência de trabalhadores nos locais de trabalho fora das normas reguladoras; não permitindo também o transporte dos mesmos em veículos irregulares e sem autorização para transitar. Além disso, a proibição da prestação de serviços por menores de 16 anos, ou, se atividade insalubre, por menores de 18, além de realizar exames médicos periódicos, depositar valores de FGTS e comprovar o recolhimento de contribuições sindicais.

Em 2012, a fim de verificar o cumprimento das obrigações estabelecidas, o MTE realizou novas  inspeções no local e verificou o não cumprimento dos itens acordados, principalmente no que diz respeito à realização de exames médicos e pagamento de FGTS e contribuições sindicais. Ainda durante a inspeção, não foram observadas melhorias nas instalações sanitárias, refeitórios e transporte dos trabalhadores.