No Dia Internacional da Mulher, o RBJ relembra personagens que desbravaram um dos caminhos mais difíceis para o sexo feminino, onde, ainda hoje, a classe masculina alcança maioria esmagadora: a política.

Nascida na França em 1914, Rosy de Macedo Pinheiro Lima foi a primeira mulher a ocupar uma cadeira na Assembleia Legislativa do Paraná, eleita pela UDN (União Democrática Nacional) para a legislatura 1947-1950.

Iniciou sua vida estudantil na Europa, cursando em colégios da Áustria, Itália, Inglaterra e França até os onze anos. Em Curitiba, matriculou-se no Ginásio Paranaense, cursando também o Colégio N. S. de Lourdes, Cajurú.

No ano de 1933, com 19 anos, recebeu o grau de bacharel em direito pela Faculdade de Direito da Paraná, atual UFPR (Universidade Federal). Em dezembro do mesmo ano, fundou o “Centro Paranaense Feminino de Cultura”, sendo eleita sua primeira presidente. Dirigindo-se ao Rio de Janeiro, concluiu o curso de doutorado, em direito privado.

Em 1937 defendeu tese na Universidade do Brasil, no Rio de Janeiro, sendo a primeira brasileira a conquistar o título de doutor em Direito. Advogada e estudiosa dos problemas jurídicos, obteve, em 1943, uma bolsa de estudos na Inglaterra, onde, durante um ano frequentou a Universidade de Cambridge, aperfeiçoando seus conhecimentos, tendo a sua tese sido aprovada.

Candidata-se à deputada estadual para a 1ª Legislatura da Assembleia Legislativa do Paraná, após o regime do Estado Novo, instaurado por meio de um golpe de Estado comandado por Getúlio Vargas, período conhecido também como “Ditadura Vargas”, sendo a primeira mulher paranaense a tomar assento na Assembleia Legislativa do Estado, atuando ao lado dos deputados palmenses Iracy Ribeiro Vianna, filho do médico e político Bernardo Ribeiro Vianna, e Anísio Luz.

Após esse período, dedicou-se a advocacia, ao jornalismo e às letras. Em sua bibliografia  constam livros de prosa e versos, além de trabalhos específicos da área jurídica.

Em Palmas, Sul do Paraná, Maria Chaves Loureiro, em 1959, era eleita para assumir uma cadeira na Câmara de Vereadores, pelo PSD (Partido Social Democrático), obtendo 232 votos. Naquele pleito, a candidata Maria Varela Reis ficou na suplência dentro do PTB (Partido Trabalhista Brasileiro) com 43 votos.

Por fim, em 2009, diante de uma série de disputas judiciais, Joana D’Arc Franco de Araújo (PPS), eleita para ocupar a presidência do Poder Legislativo, assumiu a chefia do Executivo por nove meses.