Marli foi estuprada por três antes de ser morta. Foto: Arquivo familiar
  • Compartilhe no Facebook

Marli foi estuprada por três antes de ser morta. Foto: Arquivo familiar

Foi encontrado na manhã desta segunda-feira (20) em Nova Esperança do Sudoeste o corpo de Marli de Fátima de Oliveira, 59 anos. A dona casa, que tinha problemas mentais, estava desaparecido desde do dia 10 de novembro. O corpo foi encontrado no meio de um matagal próximo do centro da cidade. Um homem que estava capinando um lote sentiu um forte odor e, ao verificar, se deparou com o corpo já em avançado estado de decomposição.

Delegado Sandro Spadotto Barros é o responsável pela investigação. Foto: Reprodução rede Massa/SBT
  • Compartilhe no Facebook

Delegado Sandro Spadotto Barros é o responsável pela investigação. Foto: Reprodução rede Massa/SBT

O local foi isolado para perícia da Criminalística e na sequencia o corpo foi recolhido ao IML de Francisco Beltrão. Marli vinha sendo procurada pela polícia com ajuda da família desde a data de seu desaparecimento. De acordo com a Polícia Civil, ela teria sido vítima de estupro. Antes mesmo do corpo ser localizado, três pessoas haviam sido detidas pela polícia, dois adolescentes e um rapaz de 19 anos. O trio é suspeito de abusar sexualmente da mulher e também de ter assassinado ela.

Corpo de Marli foi encontrado num matagal, próximo do centro da cidade. Foto: Polícia Civil
  • Compartilhe no Facebook

Corpo de Marli foi encontrado num matagal, próximo do centro da cidade. Foto: Polícia Civil

Conforme o delegado Sandro Spadotto Barros, os suspeitos permanecem sob custódia da polícia na Delegacia de Salto do Lontra. Em depoimento acabaram se contradizendo, ou seja, um acusa o outro de ter assassinado a mulher. A polícia já requisitou imagens de câmeras de monitoramento de uma empresa onde é possível ver a vítima em companhia dos suspeitos no dia em que desapareceu.

Um dos menores conversou com a reportagem da Onda Sul FM e confirmou que manteve relação sexual com a mulher. Ele diz ter sido obrigado pelos outros dois a transar com vítima duas vezes, caso contrário seria morto. Apesar da confissão do abuso, negou ter envolvimento com a morte dela. O menor disse que a mulher foi levada pelos colegas, que são irmãos, e que também teriam abusado sexualmente dela.

A polícia já apresentou os suspeitos à justiça e espera esclarecer o fato nos próximos dias. Sandro Spadotto Barros trabalha para descobrir se os três participaram do assassinato ou se o crime foi executado por um deles apenas. Também aguarda laudo do IML que irá confirmar como a mulher foi morta, já que o estado do corpo não possibilitou a identificação de ferimentos.