A edição 2015 da Pesquisa CNT (Confederação Nacional dos Transportes) de Rodovias, apontou um resultado com o qual a maioria dos usuários da PR-280 não concordam. No levantamento realizado em 178 Km da rodovia que corta o sudoeste do Paraná ligando-se ao sul do Estado e ao norte catarinense, a situação da rodovia foi avaliada como regular, tendo  como parâmetros o pavimento, a sinalização e a geometria da via.

Foto:Arquivo RBJ
  • Compartilhe no Facebook

Foto:Arquivo RBJ

A pesquisa analisa também a oferta de serviços como oficinas mecânicas, borracharias, restaurantes, postos de combustíveis, entre outros. Nesse trajeto, são encontradas sete borracharias, quatro oficinas mecânicas, sete postos de combustíveis e nove restaurantes.

No entanto, a avaliação de usuários da rodovia não coincide com os resultados apontados pela CNT. Em enquete do RBJ, questionando a opinião dos internautas sobre a situação da rodovia, mais de 53% dos 2,6 mil participantes responderam que a PR-280 está em péssimas condições, enquanto que outros 13% avaliaram como ruim o estado da rodovia. Por diversas vezes, através de redes sociais, os motoristas compartilham a sua indignação através de fotos dos buracos, recapes mal-feitos e até mesmo dos estragos que seus veículos sofrem ao transitar pela rodovia, que é de responsabilidade do Governo do Estado.

Ainda neste mês, segundo projeção da Secretaria de Estado da Insfraestrutura, deve ser lançado o edital para o PMI (Procedimento de Manifestação de Interesse) para empresas e consórcios interessados em assumir a rodovia por um período de 25 anos. A PRC-280 foi incluída no Orçamento do Estado para o próximo ano, com um montante de R$ 80 milhões,  para obras de duplicação e melhorias no trecho entre Francisco Beltrão e Pato Branco e no contorno de Marmeleiro, para, posteriormente, ser entregue à iniciativa privada.

O Governo promete investimentos de R$ 1 bilhão na malha rodoviária do Estado no próximo. Desse montante, cerca de R$ 480 milhões serão destinados às rodovias que o Governo pretende pedagiar, dentre elas a PRC-280, entre Francisco Beltrão e General Carneiro.

Anúncio da concessão da PRC-280 no mês de juhlo. Foto: Orlando Kissner/ANPr
  • Compartilhe no Facebook

Anúncio da concessão da PRC-280 no mês de juhlo. Foto: Orlando Kissner/ANPr

O modelo de pedágio a ser implantado a partir de 2016 é inédito no Paraná. É chamado de concessão com subsídio. O Governo faz o investimento para que as tarifas sejam menores. Porém, as obras não serão licitadas e executadas pelo Estado. O dinheiro será repassado para as concessionárias, para que elas realizem as obras. Segundo a Secretaria de Infraestrutura, as empresas interessadas em administrarem os trechos serão convocadas a partir do próximo mês no chamado Procedimento de Manifestação de Interesse (PMI), para que realizem os estudos e projetos de engenharia.

Nesse modelo, a empresa arca com as despesas do projeto e é ressarcida caso não seja a vencedora da licitação que escolhe a concessionária. Nas últimas vezes em que o governo recebeu projetos assim, as propostas foram engavetadas. Em 2013, a Dalba Engenharia foi a responsável pelo projeto da 280, que não teve continuidade por ser considerado muito caro.